Um sonho recorrente que deu origem ao acervo do Museu Histórico

Museu Histórico da Seicho-No-Ie do Brasil

Museu Histórico da Seicho-No-Ie do Brasil

Localizado na Academia Sul-Americano de Treinamento Espiritual da Seicho-No-Ie de ibiúna-SP

Um Sonho Recorrente


O preletor Jorge Kazuo Miura conta como através de um sonho recebeu orientação para dar início ao acervo do Museu Histórico da Seicho-No-Ie do Brasil.

Sempre fui um entusiasta da ideia de a Seicho-No-Ie do Brasil ter um museu histórico para preservar a memória dos pioneiros do Movimento da Iluminação da Humanidade no Brasil e servir de inspiração às novas gerações de adeptos e dirigentes. A ideia contava com a simpatia de membros da Diretoria da Administração Central, mas esbarrava em um problema crucial, a inexistência de peças para compor um acervo consistente e com relevância histórica.

O mestre Masaharu Taniguchi nos ensina que as ideias que nos conduzem a realizações importantes têm origem no mundo espiritual e que não somente as ideias nos são transmitidas, mas também os meios para que se tornem realidade concreta. Ocorre que, diante da impossibilidade para levar avante o projeto de criação do museu histórico, não desisti da ideia, mas a deixei em compasso de espera. Porém, em maio de 2004 tive um sonho extremamente nítido e cheio de detalhes: Via um local escuro e estreito em que havia estantes com livros e repleto de caixas e outros materiais. Uma das caixas se destacava, pois parecia pulsar e emanar uma tênue luz. Embora tentasse, não consegui abrir a caixa que então desaparecia.

 O mesmo sonho repetiu-se por três noites consecutivas, mas não conseguia ir além do ponto em que tentava abrir a caixa que novamente desaparecia. Normalmente não me lembro dos sonhos, mas daquele me lembrava com riqueza de detalhes. Fiquei preocupado, temeroso pelo que  poderia encontrar no interior daquela caixa, e então resolvi pedir orientação praticando a Meditação Shinsokan. Após isto, a primeira pessoa que me veio à mente foi a preletora Marie Murakami. Fui ao encontro dela e comentei sobre o sonho. Pela descrição do local em que se passava a cena do sonho, ela se lembrou de um lugar semelhante ao descrito. Uma sala estreita como um corredor que estava sendo usada como depósito, no terceiro andar do prédio principal da Sede Central da Seicho-No-Ie do Brasil, após a sala de reuniões. Ali ficou guardado o material do prof. Miyoshi Matsuda, após ele deixar o cargo de Presidente Doutrinário da Seicho-No-Ie para a América Latina. A porta dessa sala/corredor estava trancada havia mais de dez anos. Sequer alguém sabia onde estava a chave da sala e tivemos de chamar uma chaveira para abrir a porta. 

Ao abrimos a porta, a profa. Marie e eu fomos direto a uma caixa acomodada embaixo de uma estante. No interior da caixa encontramos um exemplar do livro A Verdade da Vida, vol. 1, em japonêsEra o exemplar que em 1934, havia chegado ao então jovem Miyoshi Matsuda, pelas mãos do senhor Kumejiro Oshiro.  Na ocasião, o livro foi lido pelo irmão do jovem Miyoshi Matsuda, Daijiro Matsuda, que se encontrava enfermo, acometido de grave diarreia amebiana, oscilando entre a vida e a morte, mas com a simples leitura do livro ficou completamente curado. Estava ali diante de nós o exemplar de A Verdade da Vida que salvou a vida do prof. Daijiro Matsuda e de milhares de pessoas.

Só de tocar o exemplar sentimos uma profunda emoção tomar conta de nós. O volume estava empoeirado e com a capa de couro surrada recoberta de fungo. O livro era a peça que faltava para que a Diretoria da Administração Central pudesse aprovar a criação do museu histórico, pois já tínhamos algumas peças como fotos e objetos de época.

Jorge Kazuo Miura na montagem do Museu
Isamu Araki na montagem do Museu

Durante os trabalhos para a formação do acervo outras peças de grande importância foram surgindo e sendo doadas ao museu, mas para dar início a esse processo seria necessária uma peça de grande importância histórica e espiritual e acredito sinceramente que, orientados pelos pioneiros da Seicho-No-Ie no Brasil, fomos guiados até aquele exemplar de A Verdade da Vida, vol.1. E assim em 20/07/2005, foi aprovada a criação do Museu Histórico da Seicho-No-Ie do Brasil na Reunião extraordinária da Diretoria de Administração Central. Demos início aos preparativos e adequações do ambiente da casa que seria transformada em Museu, a casa onde o Mestre Masaharu Taniguchi ficou hospedado em sua estada no Brasil em 1963 e em 1973, na Academia de Ibiúna, ao lado do Santuário Hōzō do Brasil, sendo inaugurado em 11/11/2006.   Hoje o exemplar se encontra em local de destaque no Museu Histórico da Seicho-No-Ie do Brasil, onde pode ser apreciado por todos os visitantes.

Expresso aqui a minha gratidão em fazer parte da família Seicho-No-Ie, e pela oportunidade de tornar realidade o sonho de muitos pioneiros para resguardar e contar as suas histórias de vida em prol do Movimento de Iluminação da Humanidade.

                            Muito Obrigado.