Como a mulher pode enfrentar os desafios modernos

Nunca antes na história da humanidade a mulher angariou tantos progressos sociais. Ao longo do tempo, os homens retrataram a mulher de maneira “diferente”, “curiosa” e até “doente” em relação ao sexo masculino.

Até a chamada Revolução Feminista, na década de 1960, a maioria das mulheres não podia estudar, trabalhar fora ou mesmo votar. Durante muitos séculos, elas sequer podiam se sentar à mesma mesa que os homens. Aos poucos, a mulher foi inserida no contexto moderno porque no século XX houve muitas crises e guerras, e então ela foi incluída no mercado de trabalho para o sustento das famílias, mas as pressões e opressões sobre elas continuaram.

 

História – Até o século passado, a função social da mulher era somente a maternidade. Porém, foi justamente esse fator que chegou a fazer com que a mulher fosse considerada sagrada há cerca de 2,5 milhões de anos (na época, prevalecia a poligamia), pois todos sabiam quem era sua mãe, mas o pai, não. A partir do momento que os nossos ancestrais começaram a caçar animais grandes para alimentar o seu grupo, o homem (por causa de sua força física) passou a comandar as relações e a oprimir o sexo feminino. Desde então, a mulher atravessou os séculos sendo “estudada” pelos homens como um ser inferior. Do fim do século XIV até meados do século XVIII, tidos como séculos de “caça às bruxas”, as mulheres foram duramente reprimidas e morreram aos milhares. Uma das justificativas era a de que toda mulher teria de pagar pelo erro de Eva, que ofereceu a maçã do conhecimento do bem e do mal para Adão.

 

Atualidade – Ainda no século XXI ouvimos, nos veículos de comunicação, a opressão que as mulheres sofrem: nos empregos, ganham menos; ainda arcam com o cuidado da casa e dos filhos; e são alvo de várias violências em nossa sociedade de viés machista. Sobre elas recaem, ainda, a pressão midiática de um padrão de beleza que é quase impossível de ser alcançado.

 

Eis que surge a verdadeira libertação da mulher – Na década de 1930, enquanto no mundo inteiro se discutia o quanto a mulher era “imperfeita” em comparação ao homem, o prof. Masaharu Taniguchi afirmava que a Associação Pomba Branca, fundada pela sua digníssima esposa, profa. Teruko Taniguchi, proporcionava a “verdadeira libertação da mulher”. Hoje, é uma organização de máxima solidariedade que zela pela vida desde o ventre materno até a terceira idade, principalmente despertando nas mulheres a sua natureza divina, que é ser filha de Deus perfeita, dócil, meiga, alegre e magnânima, fazendo manifestar nas praticantes uma tremenda força que recupera lares, vidas e realizações de sonhos.

 

Como a mulher pode manifestar sua poderosa força espiritual em sua casa – Em A Felicidade da Mulher (v. 2, 21a imp., 1988, p. 27), o Sagrado Mestre Masaharu Taniguchi nos ensina:

“Para se ter um bom pai, um bom marido ou um bom filho, não se deve pensar em ‘melhorá-los’. O fato de se pensar em ‘melhorar’ significa que existe no fundo a crença de que eles ‘não são bons’. Assim, a ‘crença de que eles não são bons’ é que se concretiza, e por muito que se esforce para melhorá-los, não se tornam bons. (…). Deve-se acreditar profundamente de que ele ‘já é um bom pai, já é um bom marido, já é um bom filho’, e em Oração mentalizar e contemplar a Imagem Verdadeira”.

Uma mulher, quando visualiza a perfeição de algo, isso infalivelmente irá se concretizar.

 

Como superar os desafios modernos – O uso correto do poder da palavra, da oração e da contemplação torna cada mulher capaz de vencer qualquer situação adversa. Mulher, não importa de onde você vem (se sofreu), mas para aonde vai (objetivo que traçou); nem o que passou de ruim, mas o que carrega de positivo para fazer despertar a luz de Deus no mundo. Quantas coisas talvez você deixou de realizar simplesmente porque não confiou em si, não confiaram em você ou ainda não lhe deram uma chance? Por isso, a partir de hoje, cuide mais de si com todo o amor que talvez nunca tenha recebido. A partir de hoje, dê-se uma nova chance de ser mais feliz, alegre e sorridente. “Vibre” mais com todos os acontecimentos. Ensina a profª. Teruko Taniguchi em O Livro da Mulher (3a ed., 1996, p. 100):

 

“Mulher infeliz é aquela que ‘não vibra’ ou ‘vibra mal’. É o tipo de mulher que, mesmo que alguém lhe faça um bem, não se mostra feliz”.

 

Toda mulher é elevada expressão divina – Foi a forma da mulher que Deus escolheu para trazer a vida ao mundo! Por isso, toda mulher é como o mar, quem olha não consegue imaginar o quão profunda ela é, quanta vida, sensibilidade, amor e força é capaz de conter. Mas ela também sabe tocar mansamente a areia, ou fazer um redemoinho que leva tudo quando bem entender.

 

Eleve a sua autoestima – Toda mulher deve elevar a sua vida ao patamar que deseja. Precisa enxergar um propósito maior para sua vida. Essa é a vontade de Deus. Se até hoje o mundo não lhe deu valor (a família, a sociedade ou a vida em geral), deixe de carregar ressentimentos ou justificativas. Seu valor de filha de Deus não está naquilo que o mundo quer de você ou diz de você. Agora mesmo, na posição que ocupa, você pode ir além, pode sonhar grande, pode empoderar-se com a força espiritual latente em sua alma. Afirmou, certa vez, um pensador britânico chamado Benjamin Disraeli: “A vida é curta para ser pequena. O único ‘lugar’ que define o seu potencial é a sua cabeça, é o que você admite que pode ou não. Deixe de ‘choramingões’ mentais e avance rumo ao seu sonho”. A única mulher perdedora é aquela que carrega no coração pensamentos e sentimentos de derrota, tristezas, amargor e pesar. Todos os dias você pode escolher a determinação e a coragem na direção de um sonho, na direção de algo bom, na direção de Deus.

Você não precisa que lhe deem a felicidade. Você pode, a partir de agora, decidir que será mais feliz. Para tanto, expresse coisas boas, passe bons sentimentos, alegre a sua casa, vibre mais até com os pequeninos acontecimentos. Todas as suas emoções e sentimentos são escolhas suas. Você pode mudar a sua história e até mesmo a história do mundo de acordo com aquilo que determinar para o seu próprio destino.

Mulher, você é a luz da vida! Seu destino é brilhar! Brilhe!

 

Ênio Maçaki Hara

Como a mulher pode enfrentar os desafios modernos. Mulher Feliz. São Paulo, mar./2018. Universo Feminino. pp. 14-16.​