História da Seicho-No-Ie

História da Seicho-No-Ie

Conheça a Seicho-no-ie

Sumário

Introdução

Fundada por Masaharu Taniguchi em 1° de março de 1930, no Japão, a Seicho-No-Ie possui hoje milhões de adeptos e simpatizantes em 29 países. Após receber inspiração divina, o Prof. Masaharu Taniguchi escreveu a Revista Seicho-No-Ie (Lar do Progredir Infinito) e editou mil exemplares. Em meio a um Japão devastado economicamente pela depressão mundial de 1929, a revista começa a causar grande impacto na vida dos leitores. Foram montadas reuniões de estudos daqueles textos, pois, com sua simples leitura, as pessoas se curavam e resolviam seus problemas. A força dos escritos do Prof. Masaharu Taniguchi fez dele um dos mais respeitados pensadores do século XX, ao mesmo tempo em que a entidade que foi criada para divulgar o Ensinamento ganhou sedes para reuniões e uma organização mundialmente estruturada.

Confira abaixo como tudo começou e como o Movimento acabou chegando ao Brasil pouco tempo depois de ter sido fundado no Japão.

O Fundador

Às 6 horas da manhã de 22 de novembro de 1893, em Kobe, Japão, nasce o Sagrado Mestre Masaharu Taniguchi, fundador da Seicho-No-Ie. O pequeno Masaharu, desde a infância, destacava-se dos demais por sua inteligência. Em 1906 concluiu o curso primário como melhor aluno.

Entre 1906 e 1910, na adolescência, o jovem Masaharu já refletia profundamente a respeito do sentido da vida. Sob o forte impulso de buscar respostas, mergulhou no mundo da literatura. Logo despontava o gênio. Suas redações eram selecionadas e publicadas em revistas literárias.

Juventude

Com 19 anos de idade, o Sagrado Mestre Masaharu Taniguchi ingressou na Universidade de Waseda, em 1911. Reflexões sobre a frágil condição humana povoavam cada vez mais a mente altruísta daquele jovem. Seus textos continuavam a fazer sucesso em periódicos locais. Nesse período, passou por diversas situações difíceis devido a sua precária situação financeira.

Deixou a universidade sem concluí-la, passando a trabalhar numa indústria de fiação. Tinha vinte e poucos anos e um olhar extremamente observador. Ao verificar a situação miserável dos empregados daquela fábrica, foi tomado por um profundo desejo de oferecer respostas ao sofrimento humano; concluiu que somente o caminho espiritual poderia libertar seus semelhantes e a si mesmo.

Aos 26 anos, antes do grande encontro com a Verdade, escreveu um livro de palestras sobre espiritualismo, com estudos comparativos entre as várias religiões.

Década de 20: O casamento e a incessante busca por respostas

Em 1920, o Sagrado Mestre casa-se com a então senhorita Teruko Emori. Quase sem recursos, o casal foi morar em Tóquio.

O ano de 1923 foi bastante intenso para o jovem casal. Com o advento do terrível terremoto de Kanto, eles se retiraram para Kataoka, onde nasceu a filha Emiko. No fim daquele ano, a família mudou-se para Kobe, onde o Sagrado Mestre foi trabalhar numa empresa chamada Vacum Oil. Estabeleceram residência na aldeia de Sumiyoshi, onde se cultuava essa divindade.

Nessa cidade, o intelectualmente inquieto Masaharu se depara, em uma livraria, com uma obra do pensador americano Fenwicke Holmes, o livro “The Law of Mind in Action”, que o faz refletir profundamente.

Todas as manhãs, durante mais de cinco anos, ele se dirigia ao templo Sumiyoshi e orava fervorosamente em busca do Deus Verdadeiro.

O Despertar e a Voz do Grande Anjo Branco

Certo dia, durante profundo estado meditativo, o Sagrado Mestre teve seu encontro com o Grande Anjo Branco, que fez soar em seu interior, com a força de um vagalhão, as palavras da Verdade:

“Pecado não existe! Doença não existe! Morte não existe! Agora, aqui, ressuscita a Vida Eterna”.

O Sagrado Mestre descreve esse momento em detalhes na obra A Verdade da Vida volume 20:

“Apesar de continuar com os olhos cerrados, vi diante de mim uma luz ofuscante. Tive a impressão de ver vagamente, no meio da luz, uma imagem branca que devia ser o dono da voz misteriosa”.

Surge no Sagrado Mestre o desejo ardente de compartilhar seu despertar com outras pessoas. Decide, então, publicar uma revista.

No entanto, diante das urgências de sobreviver como um assalariado, decide economizar para, um dia, conseguir realizar seu sonho.

Durante o ano de 1929 ocorre, então, um fato que o fez colocar em prática a força das palavras da Verdade. Certo dia ele chegou em casa e viu que um ladrão havia levado suas economias.

“Nesse instante, ouvi soar dentro da minha cabeça: ‘O momento é agora! Comece agora mesmo a sua missão! No agora existe o infinito, existe a força inesgotável! ’”.

Os Primeiros anos da Seicho-No-Ie

Em 1º de março de 1930 é publicado o primeiro exemplar da Revista Seicho-No-Ie. A partir da quinta edição, começaram a se multiplicar o número de cartas de agradecimento que chegavam ao Mestre, vindas de pessoas relatando que com a simples leitura daquelas palavras aconteciam curas e outras bênçãos, consideradas como milagres.

Em 27 de setembro de 1931 o Sagrado Mestre recebe, por inspiração, a Revelação Divina da Grande Harmonia. O poder das palavras da Verdade Homem Filho de Deus e de frases como “Reconcilia-te com todas as coisas do céu e da terra” começavam a fazer prodígios na vida de muitas pessoas.

Os pedidos de mais revistas se multiplicavam e logo se fez necessário compilar o conteúdo em um único volume. E assim surge a primeira edição da obra A Verdade da Vida, em 1932, ano em que o Sagrado Mestre decide se desligar da Vacum Oil para dedicar-se exclusivamente à difusão da Seicho-No-Ie.

Em 1934 empreendeu pela primeira vez uma longa viagem de pregação pelo interior do Japão, alicerçando as fundações do que viria a ser o Grande Seminário.

Ainda em 1934 o Sagrado Mestre decide mudar-se para Tóquio. No ano seguinte, com a publicação da coleção A Verdade da Vida, o número de adeptos aumentou rapidamente.

Em 1935, o Sagrado Mestre realiza o primeiro Grande Seminário, que ocorre até hoje, sem interrupções.

Em janeiro de 1936 foi constituída oficialmente a entidade religiosa Seicho-No-Ie e em fevereiro formou-se a Associação Pomba Branca.

Na segunda metade da década de 30, o número de participantes do Grande Seminário foi crescendo a cada ano. Ao mesmo tempo, o Sagrado Mestre que escrevia em ritmo acelerado sob divina inspiração, publicava livros e revistas.

Estavam consolidados os dois pilares do movimento: o Grande Seminário e a difusão por meio da palavra escrita.

De uma sede a outra sede: conscientização ambiental

1954 – Construção da Sede em Harajuku, Tóquio.

 

1960 – Construção da Academia de Uji e do Santuário Hoozo na floresta montanhosa de Uji, Província de Kyoto.

 

1978 – Construção do Templo Matriz Sumiyoshi Ryugu na floresta montanhosa da cidade de Seihi, Provícia de Nagasaki. Nesta ocasião foi estudada a possibilidade de instalar um dispositivo de energia eólica, mas não se concretizou e em seu lugar foi instalado um aquecedor solar de água de grande porte.

 

1990 – A maior parte dos papéis utilizados na Sede foi substituída por papéis recicláveis.

 

1999 – Maio: lançamento do livro Chotto Shiteki ni Kangaeru (Pensando um pouco de forma pessoal / MasanobuTaniguchi). No capítulo [O sol, do que o petróleo] foi recomendada a introdução do equipamento de geração de energia solar.

 

2000 – Na Diretriz do Movimento foi proposta a obtenção da certificação ambiental ISO14001.

    – Outubro: apresentação da Política Ambiental da Seicho-No-Ie.

 

2001 – Substituição do aquecedor solar de água por equipamento de geração de energia solar de 160KW (empreendimento conjunto com a NEDO). Incentivo às regionais e adeptos do Japão e demais países a utilizarem o mesmo dispositivo.

    – Campanha de angariação de fundos para o reflorestamento mundial (atualmente é denominada Campanha Green)

    – Julho: A Sede Internacional e o Templo Matriz obtêm a certificação ambiental ISO14001 (Primeira entidade religiosa do Japão a obter essa certificação).

 

2002 – Outubro: lançamento do livro Imakoso Shizen kara Manabou – Ninguen Shijoshugui o Koete (Aprendendo com a Natureza – Transcendendo o Conceito da Supremacia Humana / Masanobu Taniguchi).

 

2003 – Na Diretriz do Movimento foi apresentado o plano “Escritório na Floresta” e inicia-se o projeto.

– Os locais de realização dos Grandes Seminários de todas as regiões do Japão, começam a ser supridos totalmente pela energia “verde”.

 

2004 – Abril: lançamento do livro Ichiban Taisetsu na Mono (O que é mais importante / Seicho Taniguchi).

– Definido o plano diretor do“ Escritório na Floresta”. 

 

2006 – No Jornal Seishimei foi publicada a matéria “Usina de Energia Fotovoltaica” a qual explicava a soma do volume dos equipamentos de geração de energia solar utilizados nas regionais e residências dos adeptos. (6.420,77kW em junho de 2013).

 

2007 – Inicia-se o movimento “Carbono Zero” (Movimento para compensar ao máximo da emissão de CO2 das atividades da organização religiosa e atingir o carbono zero através da utilização de energia natural ou reflorestamento).

– Subsídio para os associados das organizações para instalar os equipamento de geração de energia solar e energia eólica de pequeno porte. 

– Obtenção da certificação ambiental ISO 14001 em 66 Sedes Regionais (inclui dois órgãos relacionados).

– Definidas as condições necessárias para a escolha do local da construção do “Escritório na Floresta” e inicia-se a pesquisa. Foram feitas pesquisas em aproximadamente 90 locais.

 

2009 – As sedes missionárias de: Brasil em 2009, Estados Unidos em 2010 e China em 2011 obtêm a certificação ambiental ISO 14001.

– Definido o projeto detalhado do “Escritório na Floresta” (médio e longo prazo).

 

2010 – Janeiro: aquisição do terreno para a construção do escritório em Oizumi machi, Hokuto shi, província de Yamanashi.

– Abril: início do subsídio para os associados das organizações para aquisição do carro elétrico

– Foi criada uma página nas revistas mensais da Seicho-No-Ie que resume as atividades de plantio de árvores (18.468 árvores plantadas até maio de 2013).

– Outubro: lançado o livro Mori no Naka e Iku – Hito to Shizen no Chowa no Tame ni Seicho-No-Ie ga Kangaeta Koto (Ir para a Floresta: O que a Seicho-No-Ie Pensou para Concretizar a Harmonia entre o Homem e a Natureza / Masanobu Taniguchi e Junko Taniguchi).

– Consolida-se o projeto base do “Escritório na Floresta” que visa concentrar as mais modernas tecnologias sustentáveis para chegar ao balanço energético zero (carbono zero).

 

2011 – Aquisição de cinco carros elétricos (Leaf da Nissan, i-MiEV da Mitsubishi) na Sede Internacional (até junho de 2013 temos o total de 43 veículos entre as Regionais e adeptos)

– 19 de janeiro: Cerimônia de Assentamento da Primeira Pedra (Preparo do terreno).




– 11 de março: após o grande terremoto no leste do Japão e o acidente na usina nuclear Fukushima Daiichi, foi feita uma reavaliação do projeto energético que significava a compra e venda de energia das empresas de energia elétrica, alterando para um sistema de autossuficiência energética. Definida a aquisição de baterias íon-lítio de grande capacidade, 400kWh.

– 7 de agosto: o Supremo Presidente Masanobu Taniguchi fez uma palestra em Londres deixando clara a ideia do “Abandono da Energia Nuclear”.

 

2012 – Março: lançamento do livro Decisão em Prol das Futuras Gerações – Por que um religioso defende o abandono da energia nuclear, de autoria do professor Masanobu Taniguchi.

– 11 de abril: Cerimônia de Assentamento da Primeira Pedra (construção).

– 11 de julho: Cerimônia da armação do prédio“ Escritório na Floresta”.

 

2013 – Final de maio: conclusão das obras do“ Escritório na Floresta”.

– Junho: transferência do Cristo Eterno do prédio da Sede Internacional em Tóquio para Praça de acolhimento de todas as religiões. Na mesma praça foi construída a Torre de sete andares, o relógio de sol de parede, etc.

– 7 de julho: Cerimônia de Inauguração do“ Escritório na Floresta” e Cerimônia de acolhimento de todas as religiões.

– 1 de outubro: Início das atividades do “Escritório na Floresta”, a nova Sede Internacional da Seicho-No-Ie.

História da Seicho-No-Ie no Brasil

O primeiro navio de imigrantes japoneses, Kasato Maru, atracou no Porto de Santos em São Paulo, no dia 18 de junho de 1908, às 9h30, no cais 14. No início dos anos 1930, os japoneses formavam o mais numeroso grupo de imigrantes estrangeiros no Brasil, com cerca de 70 mil. Atuando na agricultura em geral, eles enfrentaram toda sorte de dificuldades nos roçados brasileiros. A perda de familiares para cruéis epidemias e geadas que dizimavam plantações golpeavam duramente as colônias.

Nesse cenário é que a história da SEICHO-NO-IE DO BRASIL começa a ser escrita por líderes notáveis, que levaram alívio e paz aos imigrantes em seu idioma natal, através dos livros da Seicho-No-Ie. Só a partir da década de 1970 o Movimento começa a ser divulgado em larga escala, em idioma português, conquistando um espaço definitivo no cenário brasileiro. Acompanhe abaixo, ano a ano, a história do Movimento:

1930 – Katsuzo e Chiyo Tanigaki – 1º mensário SNI – Livro a Verdade, vol 9 1930

 – Ainda em 1930 um exemplar da quarta edição da Revista Seicho-No-Ie chega às mãos do Sr. Katsuzô Tanigaki, na cidade de Lins em São Paulo.

1932 – Hisae Sakiyama trouxe Livro Seimei no Jisso 

– Em 1932 chega ao Brasil a 1ª edição do livro A Verdade da Vida, trazida pelo Sr. Hisae Sakiyama, que no interior da Amazônia forma um grupo de estudos da obra.

1933 – Kumejiro Ooshiro e Cho Tokui filha empresta Livro Matsuda

– No ano de 1933 um exemplar do livro A Verdade da Vida chega as mãos do Sr. Kumejiro Ooshiro, que o empresta ao jovem agricultor Miyoshi Matsuda, amigo da família. Miyoshi

1934 – Nessa época, o irmão de Miyoshi, Daijiro Matsuda, – Miyoshi e Daijiro Matsuda estava entre a vida e a morte, com grave disenteria amebiana. Curado após uma simples leitura, o Sr. Daijiro Matsuda decide divulgar o conteúdo do livro que o salvara. Indo de casa em casa, começou a realizar curas consideradas milagrosas, até mesmo em quem não falava o idioma japonês.

Miyoshi  – O jovem Miyoshi Matsuda, tomado pela mesma emoção, tinha então 23 anos quando decidiu dedicar sua vida ao Movimento da Seicho-No-Ie.

Mas não ficou só no sonho. Ao ver um anúncio de jornal falando da enfermidade de dois irmãos, Masaru e Kiyoshi Oomae, Miyoshi  enviou uma carta com a transcrição da Revelação Divina da Grande Harmonia, texto fundamental do Ensinamento.

Curados após a leitura da correspondência, os irmãos começaram entusiástico movimento pelas cidades da região noroeste do estado de São Paulo, como Lins e Araçatuba. Filas se formavam diante da casa deles, com pessoas que relatavam verdadeiros prodígios graças ao conteúdo dos livros A Verdade da Vida e da orientação dos convictos irmãos Oomae.

1935 – Neste ano, o Sr. Tatsuma Ito, da cidade de Bilac-SP, inicia um grande trabalho de divulgação.

1936 – Mas é em Guararapes-SP, em 1936, que surge o núcleo que seria reconhecido como a primeira Regional do Brasil. Tendo como responsáveis os irmãos Oomae, também atuaram de modo decisivo o Sr. Teramae, o Sr. Tamamoto, o Sr. Oobo e o Sr. Oohara.

Nesse mesmo ano o Sr. Chikamori Teramae e esposa começam a importar do Japão os livros da Seicho-No-Ie. Nos próximos cinco anos, antes do início da Segunda Guerra, o casal divulgaria dezenas de milhares de livros.

Estavam consolidadas as fundações do movimento. Graças às orientações pessoais do Professor Daijiro Matsuda e dos irmãos Oomae e à divulgação de livros realizada pelo casal Teramae, o Ensinamento se expande rapidamente e surgem núcleos de reuniões em várias localidades.

Nessa mesma época o trabalho do Sr. Shigekazu Saito começa a deixar grandes feitos em outras cidades da região noroeste do estado de São Paulo, como Marília e Dracena.

1937 – Em 1937, destaca-se a atuação do Sr. Chusaku Takinami. Em dezembro desse ano é inaugurado, em Guararapes-SP, o primeiro núcleo da Associação Shirohato (ala do Movimento voltado para as senhoras), tendo como coordenadora a senhora Fumie Teramae.

1939 – No final da década de 30 foram nomes importantes dentro do Movimento o sr. Tatsuo Kawasaki e o sr. Fujisaku Iwaki.

1941 – De repente, um golpe se abate sobre a crescente expansão da Seicho-No-Ie. A Segunda Guerra Mundial e o fato de o Japão ser considerado inimigo do Brasil fizeram com que os japoneses aqui residentes perdessem direitos, até mesmo de falar o próprio idioma natal.

No entanto, os bravos companheiros de fé reuniam-se à noite, convictos de que justamente as palavras do Ensinamento “Homem Filho de Deus” trariam a Paz Mundial.

1942 – Miyoshi – Nesse contexto, Miyoshi Matsuda, então com 30 anos de idade, funda a primeira Associação Local (AL) de jovens do Brasil, denominada “Aurora”, em 11 de fevereiro de 1942, em Ibaiti no Paraná.

1943 – Em São Paulo, mesmo com uma vigilância policial muito severa, corajosamente a sra. Mitsue Tanigaki continuou dando aulas de idioma japonês para 60 crianças em sua casa, usando como livro-texto “A Verdade da Vida”.

Encarando doenças tropicais, a guerra e até perseguições, os pioneiros da Seicho-No-Ie nunca se abateram.

1945 – 1950 – Logo após o final da Segunda Guerra, as reuniões de adeptos retornam com toda força.

No entanto, entre 1945 e 1950 toda a colônia japonesa sofreu graves estremecimentos. Divididos entre aqueles que acreditavam que o Japão vencera a Guerra e aqueles que sabiam que a Terra Natal havia sido derrotada, houve até mesmo conflitos armados.

Diante desse quadro, líderes da Seicho-No-Ie como o sr. Jitsumasa Saito e Masaharu Miyamoto, com o apoio do sr. Teiji Takaki, lutaram para unir os adeptos, acima de qualquer divisão na colônia.

1951 – Graças à visão e ao esforço de vários líderes da época, em 8 de janeiro de 1951 foi fundada a União Nacional de Núcleos. Em maio do mesmo ano, o Sagrado Mestre Masaharu Taniguchi reconhece a “Sede Brasileira da Seicho-No-Ie”.

1952 – Em 1952 chega ao Brasil o Professor Katsumi Tokuhisa, que com sua reluzente atmosfera pessoal, ajudou a pôr fim à divisão na colônia japonesa como um todo. E em 04 de março passa a ser editado o boletim informativo Enkwan.

1954 – Miyoshi – Em 1954, após estagiar no Japão, o recém nomeado Preletor da Sede Internacional, Miyoshi Matsuda, retorna ao Brasil e comanda a construção da Academia Sul-americana de Treinamento Espiritual em Ibiúna-SP.

1955 – 1ª Caravana de Seminaristas – Antigo Salão dos Pioneiros 

– Em 1955 a academia é inaugurada e vários fatos considerados milagrosos começam a acontecer. Nesse mesmo ano é realizada a primeira Convenção Nacional da Associação dos Moços da SEICHO-NO-IE DO BRASIL.

1956 – Em 1956, a primeira visita do então Supremo Presidente da Associação dos Jovens, Professor Seicho Taniguchi, torna-se um acontecimento de proporções nacionais, com ampla divulgação da imprensa brasileira

Sua primeira parada foi no Rio de Janeiro, em 1º de julho. Recebido pelo Chefe do Gabinete Civil da Presidência da República, o Professor Seicho Taniguchi é entrevistado por rádios que o apontam como um líder religioso que promovia a paz mundial e a unificação das civilizações do Ocidente e do Oriente.

A chegada do Professor Seicho Taniguchi a São Paulo, no dia 4 de julho de 1956, foi apoteótica. Três mil adeptos lotaram o Aeroporto de Congonhas, com bandeirinhas do Brasil, do Japão e da Seicho-No-Ie. Uma carreata de imensas proporções acompanhou a comitiva até a Sede Central, no bairro Jabaquara.

Em 26 de agosto o prof. Seicho tira foto com os lideres jovens.

1957 – Em 1957 foi inaugurado o Santuário Hoozo do Brasil fortalecendo as práticas espirituais e a reverência aos antepassados, o que consequentemente impulsionou o Movimento.

1960 – Em 1960 foi realizada a primeira Convenção Nacional dos Adeptos da Seicho-No-Ie.

1962 – Daijiro Matsuda

– Em 1962 cala-se a voz que salvava com apenas um brado. Falece o Professor Daijiro Matsuda, deixando-nos um inesquecível legado de fé.

1963 –  Casa do Mestre MTaniguchi

 – Em 1963 o Sagrado Mestre Masaharu Taniguchi vem ao Brasil pela primeira vez e profere conferências durante três meses, chegando a palestrar para 30 mil pessoas no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

1965 – O ano de 1965 foi marcado pelo lançamento do primeiro número da Revista Acendedor. Era o início da divulgação do Movimento em idioma português.

1966 – 1969 – Na segunda metade da década de 1960 a SEICHO-NO-IE DO BRASIL já estava solidificada. Nessa época são erguidas, por todo o país, novas e amplas sedes regionais e de núcleos. Era o cenário ideal para que o Ensinamento atravessasse a barreira do idioma e alcançasse brasileiros de todas as origens.

1967 – Nesse sentido, o ano de 1967 foi um momento histórico. A chegada do Professor Katsumi Tokuhisa para fixar morada no Brasil e a ampliação da Sede Central foram dois fatos de suma importância.

1968 – Nessa época, a Seicho-No-Ie começa a se tornar uma força marcante no cotidiano brasileiro. Em 1968, a Associação dos Moços da SEICHO-NO-IE DO BRASIL recebeu uma carta do então Supremo Presidente da Associação dos Jovens, Professor Seicho Taniguchi, com o seguinte trecho: “Ouço o brado de fé profunda de suas vozes. Ouvirão vocês o palpitar de amor e fé dos seus companheiros do Japão?”.

Com base nessa carta, teve início uma mobilização anual de dirigentes e adeptos que se reuniam aos milhares diante de locais como a Assembleia Legislativa de São Paulo e o Museu do Ipiranga, a fim de realizar em conjunto a Oração pelo Progresso do Brasil e pela Paz Mundial.

1970 – Em 1970 o próprio Professor Seicho Taniguchi participou pessoalmente do ato, quando veio ao Brasil pela segunda vez, acompanhado pela esposa, Professora Emiko Taniguchi, e pelo filho, Masanobu Taniguchi.

Essa década também iniciou com um grande acontecimento para o Movimento. Em 1970 é realizado na Academia de Ibiúna o primeiro seminário em português. Nessa mesma época, as dependências da Sede Central começaram a se encher de pessoas que vinham relatar inúmeros milagres.

1972 – Em 1972, a Oração pelo Progresso do Brasil e pela Paz Mundial reuniu 16 mil pessoas e fez parte das comemorações oficiais do Sesquicentenário da Independência do Brasil.

1973 – Em 1973 aconteceu a segunda visita de pregação do Sagrado Mestre Masaharu Taniguchi ao Brasil. Desta vez, das 40 mil pessoas que o assistiram no Ginásio do Ibirapuera, 80% eram brasileiras.

1977 – Na 9ª edição da Oração pelo Progresso do Brasil e pela Paz Mundial, realizada em 1977, compareceram mais de 35 mil pessoas em frente à Assembleia Legislativa de São Paulo.

1982 – O Prof. Seicho Taniguchi, então Vice Supremo Presidente da Seicho-No-Ie, vem ao Brasil e reúne milhares de pessoas em conferências de norte a sul do país.

Também nesse ano é publicada a Revista Seicho-No-Ie em espanhol, passo importante para que toda a América Latina fosse alcançada sistematicamente pela Seicho-No-Ie, tendo como base o Brasil.

1984 – No mês de agosto passa a ser publicado o boletim informativo Círculo de Harmonia.

1985 – Falece o Sagrado Mestre Masaharu Taniguchi, fundador da Seicho-No-Ie, no dia 17 de junho. E em novembro do mesmo ano, assume como Supremo Presidente da Seicho-No-Ie o Prof. Seicho Taniguchi.

1988 – Falece, em 24 de abril, a Profª. Teruko Taniguchi, esposa do Sagrado Mestre Masaharu Taniguchi.

1992 – Tem início o Programa Seicho-No-Ie no Ar, que hoje é retransmitido por mais de 50 emissoras de rádio do país.

1993 – “Em 1993 a Seicho-No-Ie deu inicio ao ‘Movimento Internacional de Paz pela Fé’ visando o século 21. O objetivo deste é fazer com que o maior número possível de pessoa conheça a Verdade. Esse objetivo não difere em seu conteúdo do Movimento de Iluminação da Humanidade da época inicial. Entretanto, ampliou-se a estrutura do movimento, incluindo questões internacionais, sem se limitar a questões de ordem individual. Ou seja, o nosso movimento, que durante dezenas de anos veio contribuindo para proporcionar harmonia e felicidade a grande número de pessoas, expandiu seu objetivo e, no mundo atual, cujas fronteiras se estreitam cada vez mais, atingiu a etapa em que devemos visar a promoção da harmonia e da prosperidade das nações”. (Diretrizes do Movimento)

1994 – 1999 – A década de 1990 foi marcada por adequações estruturais da organização. As convenções se inovaram visual e artisticamente. A atuação cada vez mais dinâmica dos dedicados líderes do movimento deu prova de que a Seicho-No-Ie é uma força cada vez mais atuante na sociedade brasileira.

2001 – Em 15 de novembro de 2001, a atividade “Obrigado São Paulo” promoveu a limpeza de praças no bairro do Jabaquara, na capital paulistana, dando origem ao que é hoje a Semana da Paz e do Meio Ambiente, que mobiliza mais de 40 mil pessoas por ano em atos voluntários de limpeza de praças que ocorrem em cerca de 1.300 localidades brasileiras.

2003 – No dia 20 de maio de 2003 vai ao ar pela primeira vez o Programa Seicho-No-Ie na TV. Hoje retransmitido por mais de 20 emissoras, abrange todo o território brasileiro.

2004 – Nesse ano é realizado um evento histórico com a vinda do Professor Masanobu Taniguchi, então Vice Supremo Presidente da Seicho-No-Ie, para orientar o 1º Curso Internacional de Paz pela Fé, ocorrido em São Paulo.

2005 – Em 3 de setembro de 2005 o Jubileu de Ouro da Associação dos Jovens da SEICHO-NO-IE DO BRASIL lotou o Estádio do Pacaembu, em São Paulo-SP, com mais de 28 mil pessoas. Foram palestras, shows e apresentações que marcaram época.

2008 – No dia 28 de outubro de 2008, passou para o mundo espiritual o Supremo Presidente da Seicho-No-Ie, Prof. Seicho Taniguchi. Assumiu em seu lugar o Prof. Masanobu Taniguchi, tomando posse em março de 2009.

Também em 2008, um evento de grande importância foi a 6ª Convenção Nacional, no dia 21 de setembro, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, celebrando os 100 anos da imigração japonesa para o Brasil.

Os festejos oficiais do Centenário da Imigração Japonesa, que culminaram com a vinda do Príncipe Naruhito, contaram com amplo apoio da SEICHO-NO-IE DO BRASIL. 

2009 – Entre o final de 2008 e início de 2009 a SEICHO-NO-IE DO BRASIL deu um passo histórico, tornando-se instituidora da Fundação Grande Harmonia, antiga Fundação Manoa. Uma escola de ensino fundamental e uma creche que atendem cerca de 500 crianças e adolescentes, aplicando a Educação da Vida e produzindo grandes modificações nas comunidades em que estão inseridas, não apenas promovendo transformações nas famílias, mas colaborando até mesmo com a diminuição de índices de violência nas regiões em que estão localizadas.

Também em 2009 a SEICHO-NO-IE DO BRASIL recebeu a Certificação ISO 14.001, que a credenciou internacionalmente como entidade modelo de gestão ambiental, certificado emitido pelo RINA, entidade de atuação mundial que outorga certificados de excelência nas mais diversas áreas de atuação empresarial.

2010 – Os trabalhos assistenciais e nas áreas educacional e social ganham projeção nacional, não apenas internamente, mas também na mídia em geral. Além da participação no programa Teleton, momento em que os valores arrecadados entre adeptos e dirigentes é repassado às mãos dos apresentadores ao vivo, para milhões de telespectadores, houve grande reconhecimento de governos locais em relação à atuação da SEICHO-NO-IE DO BRASIL, como no caso da Prefeitura de Atibaia-SP, onde a Creche Paraíso teve sua capacidade duplicada devido ao impacto da Educação da Vida nas famílias e até na diminuição dos índices de criminalidade no bairro onde está localizada.

Em suma, as atividades de 2010 mais uma vez foram um atestado de generosidade ímpar de sua liderança como um todo. Houve crescimento de doações para a Campanha Pró-Natal, que ultrapassou meio milhão de reais; viu-se um aumento substancial de instituições visitadas durante a Semana da Paz e do Meio Ambiente (76); a campanha do agasalho dobrou a quantidade de peças arrecadadas (mais de 11 mil); foram duplicadas doações diversas de itens como gêneros alimentícios; teve aumento considerável de peças de enxoval para gestantes (ultrapassou 35 mil peças), entre outros números expressivos.

2011 – No dia 1º de março assume nova diretoria, que ainda sob o comando do Presidente Doutrinário para a América Latina, prof. Yoshio Mukai, e da Diretora-Presidente da SEICHO-NO-IE DO BRASIL, Preletora Marie Murakami, está apostando na formação de sucessores, apoiando as atividades de jovens, juvenis e crianças, a fim de garantir que o futuro da Organização seja cada vez mais brilhante e decisivo na missão de transmitir o Sagrado Ensinamento Homem-Filho-de-Deus.

2012 – Em novembro foi realizada auditoria externa do RINA, que culminou na recertificação da ISO 14001.

O ano também foi marcado pelo fim da jornada de 11 anos do Preletor Yoshio Mukai como Presidente Doutrinário da Seicho-No-Ie para América Latina.

2013 – O início do ano foi marcado pela posse do novo Presidente Doutrinário da Seicho-No-Ie para América Latina, Preletor da Sede Internacional Junji Miyaura.

Em fevereiro, mais precisamente no dia 08, a placa de recertificação da ISO 14001 foi entregue ao Presidente Doutrinário da Seicho-No-Ie para América Latina, Preletor da Sede Internacional Junji Miyaura e para a Diretora Presidente da SEICHO-NO-IE DO BRASIL, Preletora da Sede Internacional Marie Murakami.

Julho foi um mês marcante para a Seicho-No-Ie, pois houve a transferência da Sede Internacional de Harajuku, Tóquio para o “Escritório na Floresta” na Província de Yamanashi.

2014 – O Brasil recebeu a visita do Supremo Presidente da Seicho-No-Ie, Professor Masanobu Taniguchi e da Suprema Presidente da Associação Pomba Branca, Professora Junko Taniguchi para orientarem a Conferência Especial da Seicho-No-Ie pela Paz Mundial e o Grande Seminário da Seicho-No-Ie.

O ano também comemorou o Jubileu de Diamante da Associação Pomba Branca da SEICHO-NO-IE DO BRASIL e os 35 anos da Associação Fraternidade da SEICHO-NO-IE DO BRASIL.

História da Academia de Treinamento Espiritual de Ibiúna-SP

Conheça a Seicho-no-ie

“A grande maioria dos líderes atuais têm a Academia de Ibiúna como a terra natal de suas almas”. Preletor Yoshio Mukai.

A história da SEICHO-NO-IE DO BRASIL (SNI/BR) é a história da Academia Sul-Americana de Treinamento Espiritual da Seicho-No-Ie – Ibiúna (SP).

Em 2 de março de 1955, uma cerimônia marcou a instalação, no altar, dos quadros contendo a palavra Jisso (Imagem Verdadeira) e “Deus é Amor”, escritas de próprio punho pelo Professor Masaharu Taniguchi.

O Professor Miyoshi Matsuda escreve, na obra A Luz Avança Transpondo Fronteiras, que a partir dessa instalação, a “Academia tornou-se fonte de purificação de almas e um Palácio do Movimento para Iluminação da Humanidade”.

Não era uma descrição visionária. Logo no primeiro Seminário Geral de Treinamento Espiritual, realizado entre 1º e 10 de abril de 1955, entre os apenas 16 participantes houve uma profusão de “milagres”. Pessoas se curaram de surdez, úlcera, hemorroidas, problemas de fígado e até neurastenia.

60 anos depois, após várias reformas e melhorias estruturais, a Academia recebe, em seus seminários, cursos, Festividade, cerimônias especiais e visitação turística, entre 40 e 50 mil pessoas, a cada ano.

Nesta matéria especial, confira um pouco da História e histórias que envolvem o principal polo formador de líderes e pessoas felizes da SNI/BR.

 

História para ser perpetuada 

Não é exagero dizer que a Academia teve seu início em 7 de setembro de 1934, dia em que o jovem Miyoshi Matsuda declarou ao Universo suas três metas, após ser profundamente tocado pela leitura de A Verdade da Vida: 1) Viajar pelo Brasil divulgando os ensinamentos; 2) Instalar uma academia para jovens; 3) Estagiar no Japão diretamente com o Mestre Masaharu Taniguchi.

Em 11 de fevereiro de 1942, em Amora Preta, município de Ibaiti-PR, o Professor Miyoshi fundou a 1ª Associação dos Jovens da Seicho-No-Ie em solo brasileiro.

A sede era sua casa, que logo começou a receber jovens trazidos pelo Professor Daijiro Matsuda que, no lombo de um cavalo, cruzava colônias e campos com A Verdade da Vida que o salvara embaixo do braço.

Enquanto ele divulgava, Miyoshi cuidava dos afazeres do sítio da família, e acolhia e aplicava as vivências da Seicho-No-Ie junto aos jovens. “Senti com satisfação que meu secreto desejo começava a se concretizar. Estudar e trabalhar – este era o meu sistema de orientação, de maneira que ensinava os fundamentos da Seicho-No-Ie pela manhã e à noite, mas durante o dia dávamos duro na lavoura”.

 

“Deixem por minha conta a construção da academia”

Muitos acontecimentos se sucederam de forma rápida. O empenho dos irmãos Matsuda e de outros tantos pioneiros fez com que a Seicho-No-Ie se “alastrasse feito fogo em palha”.

Em 1951, a sede brasileira foi reconhecida pelo Professor Masaharu Taniguchi. Em 1952, chegou do Japão o Professor Katsumi Tokuhisa para conferências e direcionamentos. Após demonstrar corajosamente a ele as suas intenções de estagiar no Japão, o Professor Miyoshi Matsuda embarcou no dia 21 de dezembro de 1952, sendo que ele mesmo cobriu os custos da viagem.

Como o Professor Tokuhisa havia doado a soma dos valores auferidos da realização de inúmeras conferências para ser o capital inicial para a edificação de uma Academia de Treinamento Espiritual, quando o Professor Miyoshi embarcou a sede brasileira já estava incumbida de encontrar um terreno.

No entanto, ao voltar para o Brasil em 12 de dezembro de 1953, o projeto não havia saído do papel por conta dos esforços na construção da própria Sede Central. Assim, sem pestanejar, como num brado lançado aos Céus, o Professor Miyoshi afirmou decididamente: “Deixem por minha conta a construção da academia”.

 

Principais alicerces: Gratidão e Retribuição 

Nomeado ela Diretoria para capitanear a construção, logo foi procurado pelo Sr. Mitio Togashi, pessoa de sua inteira confiança, que tinha uma área de 20 alqueires à venda em Ibiúna.

Profundamente convicto de que a proposta tinha vindo de Deus, o Professor Miyoshi pagou imediatamente o valor da entrada sem nem sequer ir pessoalmente averiguar o terreno.

Junto à sua poderosa atmosfera pessoal e à sua forte determinação colocou em marcha um plano audacioso: repartir a área em três (local para as instalações da Academia, local de pomar para produção e futuro custeio, e o restante em lotes a serem vendidos para cobrir o valor do terreno e a obra).

O “espírito” por trás de tudo foi o sentimento de gratidão e retribuição. Explica o Professor Miyoshi em texto publicado na edição do Enkan (Círculo de Harmonia) de 25/12/1954: “Os imigrantes japoneses conquistaram melhora econômico-social com os ensinamentos sobre a Verdade. Era indispensável perpetuar essa alegria através dos jovens nisseis, proporcionando-lhes a fé e a esperança no futuro, fortalecendo a convicção de serem filhos de Deus”.

Despertar a vocação doutrinária e fazer expandir o Ensinamento para além-fronteiras eram dois outros sólidos propósitos do Professor Miyoshi.

 

“Cada tijolo é fruto do amor espontâneo dos adeptos” 

O Professor Masaharu Taniguchi descreveu, em 1973, a epopeia da construção da Academia de Ibiúna como uma sucessão de acontecimentos extraordinários, comparável ao milagre da “divisão de cinco pães que alimentou cinco mil pessoas”, realizado por Cristo.

Como verdadeiros braços-direitos do Professor Miyoshi, ofereceram-se de corpo e alma à tarefa o estudante de engenharia Satoshi Nagahashi e o Sr. Kozo Katsumata. Para cada etapa da construção, havia uma comovente mobilização. Eram mesmo atos de devoção.

O valor dos lotes doados viabilizou o início das obras. No entanto, eram custos muito altos. Na hora de assinar o contrato com o empreiteiro, faltou dinheiro. Sem pensar duas vezes, o adepto Mitoshi Kanegae emprestou uma grande quantia sem pedir recibo, sem cobrar juros e com prazo indeterminado.

A construção foi erguida, mas não havia fundos para o acabamento. Assim, adeptos de todo o Brasil enviaram os itens necessários, numa operação logística imensa, dadas as condições de transporte da época.

Para a inauguração também não havia verba. Sem qualquer acanhamento, o Professor Miyoshi foi pedir ajuda ao adepto Kazuharu Takahashi. Dono de muitos bens, na hora prontificou-se a doar tudo o que tinha, e assim o fez.

Os doadores de lotes e outros importantes beneméritos da época têm seus nomes grafados para sempre nas pedras que cercam o Santuário Hoozo do Brasil. Segundo a tradição xintoísta, os pequenos monumentos têm significado de proteção ou vedação (Tamagaki) ao espaço sagrado em relação ao mundo exterior.

Algumas datas marcantes

02/08/1954 – Cerimônia de lançamento da pedra fundamental.

02/03/1955 – Inauguração.

01º a 10/04/1955 – 1º Seminário Geral de Treinamento Espiritual.

10/07/1955 – 1ª Convenção Nacional da Associação dos Moços (hoje Jovens) da Seicho-No-Ie.

02 a 08/04/1956 – 1º Seminário especial para Senhoras (Associação Pomba Branca).

27/08/1956 – Em viagem missionária ao Brasil, o Professor Seicho Taniguchi, então Supremo Presidente da Associação dos Jovens, chega à Academia para orientar o 3º Seminário Especial para Formação de Líderes Jovens.

01º/04/1957 – Inauguração do Santuário Hoozo do Brasil.

24/07/1962 – Falecimento do Professor Daijiro Matsuda, na Academia.

09 a 13/07/1963 – Curso especial para jovens orientado pelo Professor Masaharu Taniguchi.

29/08/1963 – Inauguração do Monumento aos Pioneiros, pelo Professor Masaharu Taniguchi.

25 a 27/03/1966 – 1º Seminário para moças (hoje jovens mulheres).

14 e 15/02/1970 – 1º Seminário em português.

22 a 24/01/1971 – 1º Seminário para crianças no curso primário.

15/07/1973 – Inauguração do novo Salão Nobre e Alojamento Alegria.

1975 – Troca do piso do Salão Nobre, de tatame para carpete.

28 a 30/07/1975 – 1º Seminário para educadores.

20 e 21/10/1979 – 1º Curso para Preletores em português.

15 e 16/08/1981 – 1ª Convenção Nacional da Associação da Prosperidade.

13 e 14/03/1982 – 1º Curso para Presidente de Associação Local da Associação Fraternidade e da Associação Pomba Branca.

02/06/1985 – Inauguração do Monumento aos Anjinhos Anônimos.

1986 – Colocação de cadeiras para os participantes, no Salão Nobre, em substituição às almofadas.

07/04/2001 – Inauguração do busto em bronze do Professor Miyoshi Matsuda.

07/07/2001 – Inauguração do novo salão dos pioneiros e alojamentos.

13/04/2003 – 47ª Festividade do Santuário Hoozo do Brasil, com mais de 16 mil participantes e, pela 1ª vez, mais de 1 Milhão de Registros Espirituais.

07/07/2005 – 1ª Cerimônia às almas dos povos que foram escravizados (índios e negros).

28/02/2014 – Inauguração do Espaço Querubim Minna Tomodati, com capacidade para 80 crianças.

Polo formador de líderes

Quarto a ocupar o cargo de Presidente Doutrinário para a América Latina, o Preletor da Sede Internacional Junji Miyaura atribui à Academia de Ibiúna a sua formação como líder e como pessoa. “Participei como seminarista desde juvenil, fiz parte de comissões e fui orientador de incontáveis seminários”, conta. Para ele, trata-se do local onde a prática da Seicho-No-Ie é vivenciada efetivamente. “A Academia desperta a Verdade e o filho de Deus na pessoa, por isso salva e encaminha”, arremata o Prel. Junji.

Primeiros seminaristas tinham de tomar banho no rio

O Diretor Presidente da SNI/BR em exercício, Preletor em grau Máster Tuguio Teramae, também foi formado, desde muito jovem, participando dos primeiros seminários. “Não havia ofurô nem chuveiro, então os seminaristas iam tomar banho no rio. Aliás, em dois riachos diferentes. Em um iam as meninas, e em outro, os rapazes”. A esse respeito, ele cita o amigo Yoshio Mukai que, à época, atuava na comissão e tinha a tarefa de cuidar que ninguém tomasse banho no rio “errado”. Até hoje o Prel. Mukai, nosso maior decano atual, graceja com a lembrança: “Não sei por que nunca me deixaram vigiar o rio onde se banhavam as meninas”, conta o Prel. Teramae.

Oferenda de Trabalho: arrancar raízes de árvores com as mãos

Um bom banho em água corrente certamente era vivido com intensa gratidão, principalmente logo após a atividade de Kenro, ou Oferenda de Trabalho, que é parte essencial da vivência espiritual das Academias. Conta o Prel. Teramae: “Entre os homens, a principal tarefa era o famoso ‘arranca-toco’. Raízes de árvores grossas que tinham dado lugar ao espaço útil, precisavam ser extraídas. Assim, cavava-se ao lado delas, cortavam-se as raízes laterais e uma corda era amarrada ao cerne. De 30 a 40 rapazes levavam, às vezes, duas horas para conseguir arrancar uma só raiz”, lembra e observa: “Jovens que vinham da cidade ficavam exaustos, mas compreendiam profundamente a importância espiritual de se dedicar de corpo e alma à Iluminação”, complementa o Prel. Teramae, cujo pai, o saudoso Professor Chikamori Teramae, tem seu nome grafado em um dos pequenos monumentos ao redor do Santuário Hōzō.

Um Agora Promissor

O Preletor Aníbal Ferreira de Lima Neto, Diretor da SNI/BR e Preposto da Academia Sul-Americana de Treinamento Espiritual de Ibiúna, apesar de jovem, teve sua vida transformada pela Academia que hoje comanda.

Seus olhos estão no futuro, mas um futuro que já chegou por intermédio de seu dinamismo. Seus empenhos resultaram na inauguração, em 2014, do Espaço Querubim Minna Tomodati. Sonho antigo dos pioneiros, foi do incansável trabalho do Preletor Aníbal e seu “braço-direito”, o Administrador e Preletor Gil Kanasiro Filho, que o ideal se tornou realidade na forma de uma edificação de mais de 350 metros quadrados e capacidade para até 80 crianças de 0 a 10 anos.

Tanto arrojo tem uma só origem, conforme enfatiza sempre o Prel. Aníbal: “O ideal dos pioneiros está vivo dentro de nós e é a nossa força motriz. Outro dia, ao vislumbrar o brilho nos olhos dos jovens nisseis participando do Seminário para Jovens Seinen Kai, ‘transportei-me’ por um instante para 60 anos atrás. Eu não pude testemunhar o entusiasmo do Professor Miyoshi Matsuda recepcionando os seminaristas, um a um, mas vendo aqueles jovens transbordantes de alegria, não tive dúvida: o Professor Miyoshi continua entre nós, e mais vivo do que nunca, através do seu ideal inextinguível”, colocou o Preposto.

Ano temático

A anunciar tempos de avanços cada vez maiores em termos de infraestrutura, está registrado no Plano Quinquenal da SNI/BR a meta de tornar a Academia um modelo de sustentabilidade. “Trabalharemos para fazer dela um polo de referência em energias renováveis”, enfatiza o Prel. Aníbal.

Além disso, a Diretoria da Academia, em parceria com o Gabinete de Marketing e Comunicação da SNI/BR, colocou em marcha uma Campanha de divulgação bastante ampla. Entre as ações estão previstos: Selo Comemorativo (cuja arte configura a Capa desta edição); divulgação do slogan “ Onde os Iluminados Pregam a Verdade, Reúnem-se os Apóstolos”; produtos e kits temáticos da data; divulgação maciça na Internet e Redes Sociais; a instalação de totens ou painéis interativos junto aos principais monumentos; e destaque especial nas mídias de rádio, tevê e impressa da SNI/BR.

Outra novidade é o Seminário da virada de ano. A partir de 28 de dezembro de 2015, passando pelo Reveillon, seminaristas felizardos vivem 7 dias em clima de renascimento. Mas não para por aí. Segundo o Prel. Aníbal haverá mais surpresas doutrinárias a presentear a Família Seicho-No-Ie, em 2015.


Paulista II
Minoru Kamei, Tsuyoshi Miyahara, Federação Associação Fraternidade, Pomba Branca e Jovens (100 contos).

Paulista I
Goiti Kosaka, Massumi Kawano, Motoji Makimoto, Tomihiko Ushiro, Paulo Koga, Federação Assoc. Pomba Branca e Jovens (100 contos), Federação Associação Fraternidade (100 contos).

Paulista
Nobuji Nagazawa, Shukei Mizuguchi, Kenji Iida, Isematsu Kajio, Yoshiyuki Nakaura, Katashi Ikeda, Takashi Tsumura.

Lins
Shigueo Tsunada, Tadajiro Kaneto, Hiroe Suzuki, Sentaro Katayama, Iwao Shikasho, Kousaku Kubota.

Central – SP
Sueharu Tazaki, Kitizo Asanome, Masamitsu Takada, Usunosuke Imoto, Shoiti Yamazaki.

Regional Central
Associações Fraternidade, Pomba Branca e Jovens (100 contos).

Regional Paraná 5
Minoru Kamei, Tsuyoshi Miyahara, Federação Associação Fraternidade, Pomba Branca e Jovens (100 contos).

Paraná
Sada Ito, Yorisaku Yamaguchi, Kaitsu Shiojiri, Kiyomitsu Takemoto, Misao Okamoto, Taizo Tsuiki, Takeshi Mitsuyasu, Tatsuzo e Kikue Koyama, Morikuni Tokue, Shigueru Yokoo, Tadao Maehana, Takiji Ito, Masanobu e Setsuno Nakamura, Masafumi Yuge, Hichiro Fujiwara, Tamotsu Kuroyanagui, Soiti Higashi, Toshio Tan, Jihee Kondo, Rokuro Hatayama, Kajiro Komori, Yogoro Takahashi, Tsuneo Koga, Yoneichi Okamoto, Guiichi Sato, Matazo Matsuguma, Seichiro Sadae, Mitsuji Koga, Masakatsu Kambara, Sueo Toda, Shogo Oyamada, Hideyoshi Arimori, Yoshio Koga, Tadao Kuroda, Kamezo Ogoshi, Sanshiro Kitahara, Izaburo Matsuura, Shiro Namba, Kichiei Noguchi, Tomiichi Mimura, Kenji Nakano, Masaharu Yamamoto, Katsui Hasunuma, Shozo Nishi, Nasuo Kushima, Toshinaga Kuniwake, Tsutomu Asakura, Tomoko Yamaguchi, Hajime Okada, Satoru Koga.

Brasília
Mitsuo Nishizawa.

Vargem Grande
Kiiti Furukawa, Seirou Tamura, Taichiro Hashizume.

Grande São Paulo
Federação Associação Pomba Branca (100 contos).

São Paulo
Assoc. Regional dos Jovens Seishi Seinenkai (100 contos), Federação Fraternidade (100 contos), Kameichi Ogoshi, Paulo Nakama, Chikamori Teramae, Mitsuo Nakanishi, Shizuo Jo, Takefumi Kaneko, Kenichi Ogawa, Kiheiji Fukai, Masatoshi Tamoti, Heizo Nakasuga, Masahiko Ogasawara, Nagakame Gyouhen, Kimiko Ihara, Shoiti Kaji, Kazumi Matsuo, Zoukichi Toyoda, Matsuzo Nishimura.

Campinas
Kinji Ono.

Rio-Cachoeira
Hajime Yamaguchi.

Ribeirão Pires
Masato Yoshioka.

Sorocabana
Tasuji Matsunaga, Mampei Funada, Masaji Higashino.

Reg. Sorocabana I
Federação Assoc. Fraternidade, Pomba Branca e Jovens (100 contos).

Reg. Sorocabana II
Federação Assoc. Fratern., Pomba Branca e Jovens (100 contos).

Noroeste
Sakae Katayama, Masakatsu Tatsumi, Kanegoro Morimoto, Shigueko Takebe, Nisao Sasaki, Masao Ida, Mitoshi Kanegae, Mitsuhito Nakano, Kamenosuke Fukushima, Umejiro Suyama, Kinzo Idemori.

Regional Noroeste
Federação Assoc. Fraternidade, Pomba Branca e Jovens (100 contos).

Reg. Rio de Janeiro
Federação das Associações Fraternidade, Pomba Branca e Jovens (100 contos), Federação das Assoc. Pomba Branca do Brasil (100 contos).

Garça
Heiichi Takeshima.

Juquiá
Assoc. Fraternidade (100 contos).

Ibiúna
Akira Kishi.

Regional Araraquara
Associações Fraternidade, Pomba Branca e Jovens (100 contos).

Santos
Chotoku Iraha.

Rio-Itaguaí
Nobuei Kajishima.

Jabuticabal
Sadaki Nakaji.

Jundiaí
Massao Shirahama.

Caraguatatuba
Heiichi Sugawara.