O Homem Religioso

homem religioso

O título deste artigo pode levar o leitor a imaginar que vamos falar do homem que professa determinada fé religiosa. Na verdade, pretendemos aqui falar sobre uma postura de vida, e não sobre a religião em si, pois religião, segundo o Mestre Masaharu Taniguchi, é “o ensinamento que aponta o caminho de Deus, e vida religiosa consiste em seguir o caminho apontado”. Desta forma, vamos procurar falar sobre a importância de uma postura de vida voltada para Deus, agir em conformidade com o caminho por Ele apontado, e de que forma essa postura de vida fará a diferença na nossa vida.

Segundo o ensinamento da Seicho-No-Ie, o homem é a expressão diferenciada da grande Vida do Universo, e não um simples processo químico. O que significa isso? Significa que não somos o simples resultado de processos químicos que realizam o metabolismo e permitem que o nosso corpo material permaneça em pleno funcionamento. Somos seres espirituais, e recebemos de Deus a Vida. Podemos afirmar que somos, nós próprios, a Vida. E o fato de estarmos vivos comprova que a nossa essência é Vida. E é a mesma Vida que permeia todo o Universo. Ou seja, somos Vida de Deus, na nossa essência. Por termos originado da Vida de Deus, somos um com Ele. O nosso despertar para essa origem divina, já nos coloca em um caminho religioso. Portanto, o homem é, por sua natureza divina e vocação, um ser religioso, desde o princípio da sua criação. E é da experiência e vivência religiosa que nascem a nossa verdadeira fé, nossas convicções e a gratidão pela vida, que eleva a nossa espiritualidade.

 

Ao longo da história, o homem buscou – intuitivamente – sua origem de várias formas. Porém, sua busca quase sempre foi por algo exterior a ele, algo sobrenatural, ou sobre-humano e resultava em ações específicas: realizar orações, sacrifícios, cultos, meditações – sempre na tentativa de tranquilizar sua alma e encontrar paz e felicidade. No entanto, a Seicho-No-Ie veio nos ensinar que não precisamos buscar nada exterior, pois Deus está no interior de cada um de nós, dando-nos força, coragem e ânimo em todos os momentos. E esse despertar espiritual é o que nos conduz a uma vida plena, em que a religiosidade e a espiritualidade guiam nossas ações.

Como dissemos no início do artigo, ser religioso, não significa estar vinculado a alguma religião, mas é a crença e conscientização de que somos a autoexpressão da Vida de Deus. Passamos a agir como Deus, manifestando Seus atributos: Amor, Sabedoria, Harmonia, Alegria e isso faz uma enorme diferença em nossas vidas.

Apesar de possuirmos esta relação tão próxima com Deus, é comum nos esquecermos disso nos momentos em que tudo está correndo bem. Entramos em uma rotina de vida atribulada e acabamos nos esquecendo de voltar a mente para Deus e manifestar o sentimento de gratidão pela vida que recebemos dEle. É assim que perdemos a conexão com a grande Vida de Deus. Então, vem o período em que tudo parece dar errado, é o momento em que nossa fé vai se deteriorando, e o homem, por possuir o livre-arbítrio, pode esquecer-se de Deus, ou rejeitá-lO. Tal comportamento pode ter consequências diversas, não só no âmbito pessoal, mas também criando diversas situações no lar, com os familiares, no trabalho, na escola, gerando a revolta contra o mal aparente do mundo fenomênico, as preocupações demasiadas, sentimento de autopunição que faz o homem se considerar um ser pecador que merece sofrer. Com isso, o ambiente material que nos rodeia fica cada vez mais insuportável, surgem diversos problemas e dificuldades. Esse desequilíbrio emocional se manifesta muitas vezes em forma de doenças, em nós mesmos ou em nossos entes queridos, situação financeira precária, entre outas situações.

O que fazer nesse momento? Devemos saber que, mesmo nesses momentos, não deixamos de ter a Vida de Deus dentro de nós. Basta que voltemos novamente nosso coração a Deus, e imediatamente a luz voltará a brilhar no nosso caminho. Deus é nosso Pai, e nunca nos abandona, mesmo que al- guns só se lembrem de recorrer a Ele nos momentos críticos de suas vidas. Tal como o filho pródigo da parábola de Jesus, basta voltarmos à casa do Pai e seremos felizes novamente.

A convicção de que somos Vida de Deus deve estar fortemente arraigada em nós. E a cada segundo o homem deve expressar essa Vida infinita de Deus, alojada em seu interior, ou seja, ele deve renascer a cada momento. Esse é o primeiro passo para expressar essa religiosidade inerente a cada um de nós em todos os momentos, não só nos momentos críticos. A postura religiosa deve ser uma constante. E que postura seria essa?

O homem religioso é aquele que, graças a sua fé, acredita em si e na sua capacidade. Por isso, lança-se a maiores desafios e obtém grandes resultados em sua vida. Quando uma pessoa alegre e otimista passa à ação, munida da inabalável certeza de vencer, ela começa a transmitir um grande magnetismo que impulsiona em direção ao seu objetivo todas as pessoas ao seu redor. As palavras bíblicas “ao que tem lhe será dado, e terá em abundância” referem-se a esse fato. Uma pessoa religiosa assim, consegue fazer com que todas as coisas à sua volta comecem a se movimentar para a realização de seus objetivos. E é por essa característica que atualmente muitas empresas estão em busca de pessoas que tenha alguma religiosidade, pois acreditam que a profissão e a espiritualidade caminham juntas.

E você, caro leitor, como você está, em suas convicções, sua fé, determinação, persistência e coragem? A Seicho-No-Ie enfatiza que devemos nos alegrar quando, após passarmos a ter fé, surgir em nossa vida uma situação de impasse, em que nada acontece como desejamos, apesar de estarmos orando diariamente. Isso porque, nesses momentos, está germinando algo grandioso, capaz de romper o solo. É a semente que plantamos, com pensamentos e atitude mental. Devemos nos entregar totalmente a Deus e acreditar que a semente vai germinar. Deus sempre responde às nossas orações usando Seu próprio método. Devemos seguir com a firme convicção de que somos infinitamente abençoados, e coisas boas virão com certeza. Isso é ter fé verdadeiramente inabalável.

homem rezando

 

No mundo em que vivemos atualmente, devemos orar sempre, para solidificarmos nossa fé. No livro Reconstruindo a Vida Humana, (2013, ed. 13ª, p.118), o mestre Masaharu Taniguchi sugere realizar esta oração: “Ó, Deus, orientai-me com Vossa Sabedoria infinita. Ó Deus, confio no método usado por Vós para solucionar esta questão. Dai-me a sabedoria necessária para compreender o significado dos acontecimentos do momento e fazei com que minha alma evolua, suportando esta provação”. A oração se concretiza de modo mais suave quando nos entregamos totalmente à vontade de Deus e não oferecemos resistência ao método dEle. Daí a importância de praticar todos os dias sem falta a Meditação Shinsokan, para confirmar que eu e Deus somos unos.

Este é outro ponto muito importante: é preciso expandir a consciência de que eu e o outro somos um. Apesar de que cada indivíduo parece separado do outro como existências distintas, no âmago todos estão unidos à grande Vida. Veja os dedos de sua mão: parecem estar separados, cada um com suas peculiaridades, mas, todos eles estão unidos, formando uma unidade. Assim, a Seicho-No-Ie nos ensina também que todas as formas existentes não são matéria, mas manifestações da Vida de Deus. Por isso, temos a mesma origem, a mesma essência. Assim, a máxima de Jesus “Ama o teu próximo como a ti mesmo”, – que pode também ser expressada pela empatia – promoverá uma revolução nas relações, entre todos os seres do universo.

Acredito que essa seja a missão do homem, enquanto ser religioso: tornar a vida de todos os seres mais feliz, por meio da sua postura e fé religiosa.

Escrito por Jorge Kazuo Miura

Artigo publicado em: Revista Fonte de Luz – Ano LV – Nº598 – Outubro/2019 – pp. 27 – 30 – Seção: O Homem na Atualidade