José Roberto Couto

Reverências, muito obrigado.

Meu nome é José Roberto Couto. Fui Presidente da Federação Fraternidade da Regional SP-ARAÇATUBA. Participo da Associação Local da cidade de Biriguí.

Comecei a participar da Seicho-No-Ie em março de 1993.

Participo todos os anos do Seminário do Sucesso, um seminário específico para homens, e tenho o prazer de organizar a caravana que sai de nossa cidade para a Academia Sul-Americana de Treinamento Espiritual da Seicho-No-Ie, na cidade de Ibiúna-SP. Todos os anos, ao terminar o evento, eu já contrato o ônibus para o ano seguinte. Assim, temos tempo para divulgar o evento e convidar homens para participar, fazendo com que fiquemos incentivados a participar do evento do ano seguinte, convidando outros homens para também conhecer a Seicho-No-Ie e o Seminário.

No Seminário do Sucesso de 2012 houve uma atividade que se chama “Projeto Prosperidade”, em que escrevemos nossos objetivos em várias áreas de nossa vida, como objetivos familiares, sociais, profissionais etc. Eu já tinha, naquela época, vontade de montar uma empresa, mas não sabia em qual ramo de segmento seguir. Esse projeto fez perceber que, por já ter uma profissão, deveria seguir esse rumo. 

Quando terminou o seminário, eu saí decidido a mudar a minha vida, pois já não estava contente com o salário que recebia. 

Ao chegar em casa, apresentei meu projeto para minha esposa e disse que queria alugar uma balança e trabalhar por conta. No fundo achava que ela não concordaria, porque ela é uma pessoa que tem “os pés no chão”. Mas, me enganei, e ela me perguntou quanto custava uma balança. Aí percebi que teria o apoio dela.

Em novembro do mesmo ano retornei à Academia da Seicho-No-Ie para participar de uma reunião com todos os Presidentes de Federação da Associação Fraternidade (os presidentes regionais) de todo o Brasil vim para o encontro dos representantes e ao voltar para Birigui, conversei com meus dois patrões, pois trabalhava de manhã em uma empresa e à tarde em outra.

Um patrão foi contra, alegou que as coisas estavam difíceis. O outro disse que eu deveria abrir o meu próprio negócio, pois ninguém pagaria um salário de acordo com a produção apresentava, e, mais ainda, disse que ia passar o serviço da empresa dele para eu fazer.

No dia 24 de janeiro de 2013 os dirigentes da Associação Local de Biriguí estavam na minha empresa, fazendo oração para iniciarmos o trabalho de prestação de serviços.

Hoje, com a empresa aberta há oito meses, estamos progredindo e já estou planejando, para janeiro de 2014, comprar mais equipamentos e colocar colaboradores para nos ajudar.

Todos os trabalhos feitos pela minha empresa são entregues ao cliente com uma Revista da Seicho-No-Ie que tem os horários e endereço das reuniões da Seicho-No-Ie em minha cidade.

No campo familiar, me propus a realizar todas as manhãs a oração em gratidão aos meus antepassados, o que faço diariamente, às 4h45, juntamente com minha esposa, que à época não participava da Seicho-No-Ie.Além da Oração aos Antepassados, ela participa comigo dos Módulos de Estudos da Seicho-No-Ie, um estudo sistematizado sobre os Ensinamentos. 

Tudo ocorreu a partir das orações que tenho praticado. Até então eu não havia convidado minha esposa a participar da Seicho-No-Ie pois ela é praticante fervorosa de outra religião, muito dedicada e sempre ajuda ativamente na igreja em que participa. 

Ela já havia dito várias vezes que não iria na Seicho-No-Ie porque não se identificava com o Ensinamento. Mas, hoje ela estuda e pratica todos os dias e isso faz com eu me sinta mais responsável em levar a Verdade para as pessoas.

 Se minha vida mudou, com certeza mudará também a das outras pessoas. E isso ocorrerá quando nós, membros da Seicho-No-Ie, realmente nos dedicarmos em levar essa luz a todos os lares. 

Muito obrigado