O princípio básico da harmonização

Muito obrigado, muito obrigado.

É uma alegria, poder estar aqui com vocês para o canal da Seicho-No-Ie do YouTube para poder estudar a filosofia de vida da Seicho-No-Ie, o seu método educacional.  Estamos falando hoje da reunião virtual dos Educadores e é uma alegria muito grande poder estar dividindo com senhores, que tem essa missão tão maravilhosa, essa missão tão grandiosa que é a educação.

A educação é a base de um lar feliz, de uma nação feliz, de um país próspero e de um mundo melhor. Eu acredito muito nisso e nosso ensinamento traz um lado espiritual bastante interessante sobre o princípio básico da pedagogia da Seicho-No-Ie, a propriedade da pedagogia da Seicho-No-Ie, de extrair a potencialidade que se aloja dentro de cada indivíduo.

Vamos estudar o livro A verdade da Vida, volume 14 e este livro, vamos falar justamente sobre um capítulo bastante interessante que é o capítulo 4: Princípio básico da harmonização. Gostaria de ler um pouco e dividir com os senhores alguns relatos de experiências do livro Lições para o Cotidiano e concluir a palestra. Depois vamos terminar com a prática recitativa Imagem Verdadeira Harmonia Perfeição.

Olha só que interessante, o professor Masaharu Taniguchi diz assim, na pág. 67: “Justamente quando damos uma guinada em nossa mente, volvemo-la na direção de Deus e tomamos a decisão de viver em conformidade com a vontade dEle, podem surgir situações que nos dificultam viver conforme a vontade de Deus. A isso, no cristianismo, diz-se “tentação” ou “provação”. São situações comparáveis às que ocorrem, às vezes, quando praticamos a Meditação Shinsokan: quanto mais tentamos concentrar a mente na contemplação da ‘nossa unidade com Deus’, com maior insistência surgem pensamentos mundanos para interferir na concentração. A ideia central da filosofia da Seicho-No-Ie é: ‘O homem é um com Deus’. Não há coisa alguma que te prejudique, pois tudo provém de Deus. Portanto, ‘deves reconciliar-te com todas as coisas do Universo’. Então, surge uma dúvida: para reconciliarmo-nos com todas as coisas do Universo, precisamos nos harmonizar até mesmo com doutrinas heréticas e ideias errôneas?”

Olha que interessante: isso é muito aclarador porque, às vezes, nessa confusão, então tenho que compactuar com algo que é errado porque detrás disso que é errado existe a Imagem Verdadeira? Vamos refletir sobre isso?

Continuando no livro: “Como acho que os leitores compreenderão mais facilmente as explicações baseadas num exemplo corriqueiro, vou contar o caso dos carrapatos-do-chão que a sra. Hamada me contou. A casa para onde ela se mudou estava infestada de carrapatos-do-chão, cuja picada provocava inchaço e muita coceira.  A sra. Hamada desinfetou a casa três vezes com forte inseticida, mas não conseguiu acabar com os carrapatos. Foi quando ela então se lembrou do episódio de uma pessoa que se livrou de percevejos, citado no v. 11 da coleção A Verdade da Vida, e resolveu afastar os carrapatos-do-chão de sua casa com o poder da mente. Ela praticou a Meditação Shinsokan e mentalizou mais ou menos as seguintes palavras: ‘Esta casa é morada do homem e não de carrapatos. Os carrapatos têm seu próprio lugar para morar. No mundo da Imagem verdadeira, não há agressões mútuas, e todos os seres convivem em perfeita harmonia. Eu não faço mal aos carrapatos, e eles não me fazem mal, havendo, pois, perfeita harmonia entre nós – assim é a Imagem Verdadeira da Vida’.

Por incrível que pareça, no dia seguinte não havia mais nenhum carrapato naquela casa. Pelo fato de a sra. Hamada ter mentalizado aquelas palavras repetidas vezes e visualizando o mundo harmônico da Imagem Verdadeira, onde não há agressões mútuas, manifestou-se claramente no relacionamento dela com os carrapatos a perfeição da Imagem Verdadeira, e, como resultado, os referidos insetos voltaram para o lugar próprio deles, deixando de molestá-la. No dia seguinte ao que a sra. Hamada viera me contar isso, recebi a visita da sra. Fukuko Tamura, de Kobe, que, sem que eu tivesse tocado no assunto, começou a contar, espontaneamente, que conseguira afastar carrapatos-do-chão por meio da mentalização. Isso veio a comprovar que o aconteceu com a sra. Hamada não foi um simples acaso. Gostaria de examinar detidamente esse fato.”

Então olha só que interessante, o professor começar a comentar que nos dois episódios dados estar patente o princípio básico da harmonização.

Ainda no livro: “Como que aquelas duas senhoras se harmonizaram? Será que elas se harmonizaram com ‘os carrapatos que prejudicam as pessoas’? Não foi isso, harmonizar-se com ‘seres nocivos’ é o mesmo que permitir a sua proliferação.

Consideremos, por exemplo, o caso dos bacilos da tuberculose. Suponhamos que uma pessoa mesmo tendo na mente o pensamento de que os bacilos tuberculose atacam o homem, desejam harmonizar com eles e, intencionalmente, cultive-os e absorva-os em seus pulmões. Pode parecer que, com isso, essa pessoa se harmonizou com os bacilos da tuberculose, mas ela não se harmonizou verdadeiramente, porque não se harmonizou com a Imagem Verdadeira deles.

A filosofia da Seicho-No-Ie tem como principal característica distinguir em todos os seres a Imagem Verdadeira (o ser real) e o aspecto aparente (produto da ilusão). Por isso, afirmamos que o aspecto aparente, embora pareça real, não é existência Verdadeira. Afirmamos que somente a Imagem Verdadeira existe, e que ela é perfeita em todos os sentidos.

Citemos de um novo como exemplo o bacilo da tuberculose, que causa dano ao homem. Esse aspecto pernicioso do bacilo é apenas seus aspectos aparentes, e não é o verdadeiro. Se admitirmos como realmente existente o aspecto aparente do bacilo da tuberculose – aspecto este pernicioso –, permitirmos a sua livre ação, tocarmos nele e deixarmos que ocorra a sua proliferação, a humanidade acabará sendo dizimada. Isso porque, se nos harmonizarmos com o aspecto aparente pensando ser ele a existência real (ou Imagem Verdadeira), faremos com que o aspecto aparente avulte ainda mais, e, consequentemente, a Imagem Verdadeira ficará cada vez mais oculta.”

Parece um pouco confuso, mas que o professor Sagrado Mestre Masaharu Taniguchi está nos esclarecendo é que por detrás da percepção do homem, aqui existe um bacilo tuberculose que me ataca aqui, me agride. Ele diz que, por detrás, existe a criação perfeita do mundo da Imagem Verdadeira e que esse bacilo nesse mundo da Imagem Verdadeira, que é o aspecto real, ele não foi criado para infectar, para afetar, para ferir o homem. É nesse aspecto, ok.

Seguindo no livro: “Na verdade, Deus não criou o bacilo da tuberculose como um elemento pernicioso ao homem. O bacilo da tuberculose foi criado como um micro-organismo inofensivo ao homem, e, assim sendo, no mundo da Imagem Verdadeira o homem e o bacilo da tuberculose estão em harmonia, vivificando-se mutuamente. A harmonia é que é a Imagem Verdadeira, o verdadeiro aspecto do bacilo da tuberculose. Harmonizar-se com os bacilos da tuberculose significa, pois, reconhecer seu verdadeiro aspecto e, como reflexo dessa atitude mental, fazer com que crie naturalmente um estado em que não haja luta entre tais bacilos e o homem. Portanto, harmonizar-se com bacilos da tuberculose não significa, em absoluto, admitir o seu aspecto falso e nocivo, fornecer-lhes nutrientes e cultivá-los. Aquilo que é apenas uma imagem aparente, embora parece existir, não existe realmente. E não é possível nos harmonizar com algo que não existe realmente. Só podemos nos harmonizar com aquilo que existe realmente”.

E isso está escrito na base da filosofia da Seicho-No-Ie, na doutrina básica da Seicho-No-Ie que é a Revelação Divina da Grande Harmonia que diz assim: “Reconcilia-te com todas as coisas do céu e da terra. Quando se efetivar a reconciliação com todas as coisas do céu e da terra, tudo será teu amigo. Quando todo o Universo for teu amigo, nada poderá causar-te dano. Se és ferido por algo ou se és atingido por micróbios ou por espíritos baixos, é prova de que não estás reconciliado com todas as coisas do céu e da terra”.

Aí ele chama a nossa atenção: “Reflexiona e reconcilia-te”, para, pensa e faça sua introspecção. “Esta é a razão por que te ensinei, outrora, que era necessário te reconciliares com teus irmãos antes de trazeres oferenda ao altar. Dentre os teus irmãos, os mais importantes são seus pais. Mesmo que agradeça a Deus, se não consegues, porém, agradecer a teus pais, não estás em conformidade com a vontade de Deus”.

Ele disse: “Reconciliar-se com todas as coisas do Universo”, o princípio básico da harmonização, significa agradecer. A gratidão é um espirito de total entrega, por ser um espirito de total entrega ele não entra em conflito com o outro, ele não entra em dissensão com outro, ele não entra em choque com o outro, ele não entra em atrito com o outro, por ser um espirito de gratidão, é a docilidade do homem é a entrega total a Deus. E a crença nesse mundo harmonioso da Imagem Verdadeira, então quando você tem esse conceito, no início do capítulo ele fala: “Justamente quando damos uma guinada em nossa mente”.

A guinada na mente significa mudar esse conceito, até então nós tínhamos esse conceito, aqui tem a bactéria que prejudica o homem, mas segundo o  conceito da Seicho-No-Ie, se você está em processo de harmonia você vai ver por detrás do bacilo, por detrás da bactéria, por detrás do vírus, a Vida perfeita e harmoniosa de Deus e quando você vibra nesse princípio de Vida perfeita e harmoniosa de Deus, então na verdade aquilo que parecia ser seu inimigo, deixa de ser seu inimigo, a mente sua que diz eu vou me defender disso, vou ter que criar uma barreira para me distanciar dessa situação, que gera um processo de desarmonia, de medo, inquietação, então você se harmoniza e a mente fica tranquila, aquele bacilo e você tornam-se uma única Vida de Deus, porque é um micro-organismo.

E, segundo aqui no livro A Verdade da Vida, volume 14, o bacilo da tuberculose, ele é um micro-organismo que é também a extensão da Vida de Deus, então ele não tem como função tirar a vida ou ferir o homem, e quando a gente compreende isso, a gente entra em processo de harmonia total. Vamos mais adiante.

Então o professor diz o seguinte, na página 71. Como outro exemplo, citemos um filho rebelde, preguiçoso e esbanjador: “Por mais imprestável que ele seja, essa não é a sua Imagem Verdadeira. Esse aspecto que se apresenta como filho de rebelde, preguiçoso e esbanjador e apenas o seu aspecto falso. Vamos supor que o pai desse jovem resolva reconciliar-se como o filho, pensando ‘Oh, meu filho imprestável, você faz bem em agir assim. Eu estou contente com a vida dissoluta que você está levando’, é claro que esse aspecto aparente assume maior importância e passa a se manifestar com maior vulto. Nas famílias ricas em que a maioria dos pais é por demais indulgente, é bastante comum os filhos se tornarem cada vez mais intratáveis, preguiçosos e dissolutos. Isso ocorre porque esses pais, em vez de repudiar o falso aspecto do filho, manifestado como “rebelde, preguiçoso e dissoluto”, reconciliam-se com esse aspecto. Reconciliando-se com o falso aspecto, esta passa a se manifestar com maior força.”

E, muitas vezes, também, os pais fazem de uma maneira inconsciente porque, também, entre aspas é vergonhoso, de alguma maneira, de repente, você pensar: olha sociedade, está vendo esse filho que eu criei, ele é totalmente adverso às minhas orientações, ele faz coisas totalmente equivocadas.  A gente cria de vez em quando uma certa nuvem, um certa parede também para não ver essa imperfeição, porque muitas vezes o pai ao ver essa imperfeição ele busca reconhecer em ter errado em algum ponto, e também por não querer reconhecer o seu próprio erro, ele deixa o filho continuar perpetuando nessa situação, isso é complexo também.

A psicologia também fala sobre isso, e as vezes tentamos ocultar e não quer ver que esse filho está envolvido nessa situação difícil, na drogadição. Por que ele faz parte de mim, agora quando os pais ao olharem esse filho, por exemplo, nesse caso da drogadição, ele não vai se reconciliar com a contradição, por que ele sabe que está fazendo mal para o seu filho e só os pais que passam por isso, sabem realmente o que a propriedade química da droga proporciona ao seu filho amado. Não existe nenhum pai por aí em sã consciência que diga eu vou me reconciliar com essa droga que isso faz bem para o meu filho, é impossível. Eu pelo menos nunca vi isso.

Durante um período em Santa Tecla RS, nós tínhamos um trabalho no centro de recuperação chamado Recreo no Rio Grande do Sul, e é um lugar maravilhoso onde essas pessoas desse local conhecem bastante a filosofia de vida da Seicho-No-Ie, íamos todos os meses fazer palestras para os meninos e para meninas, e, em contrapartida, eles também participavam dos Seminários nas Academias de Treinamento Espiritual de Santa Tecla-RS.

Quando você vir essa situação, não existe conceito que diz a droga faz bem, porque não faz bem. Para o pai que passa por esse processo, às vezes, é difícil de aceitar, mas quando os pais olham para essa situação e diz: isso não é meu filho, o que ele está fazendo, está se harmonizando com o aspecto verdadeiro do filho e negando esse mal aparente, isto não é o meu filho, esse vício não é o meu filho de nenhuma maneira, por que ele não nasceu assim, ele nasceu amado, esperado. Pode ter havido algum desencontro nesse nosso processo, mas esse não é o meu filho.

“E eu amo meu filho!” e quando se manifesta esse amor, e às vezes, nesse momento, esse amor para o filho se transforma em um pai severo que não se junta com os amigos; pai que vai levar pra internação esse filho, até colocar na consciência, fazer todo o trabalho de desintoxicação e reconhecer a sublimidade da sua vida. Ele culpa o pai, que é careta e que não sabe de nada, que o pai não sabe nada sobre isso e que não o ama. Mas quando ele descobre, quando ele consegue catar os caquinhos que ele foi proporcionando, as rachaduras em sua vida por situações que ele viveu através da drogadição, quando ele cura isso, consegue renascer para uma nova vida e o pai compreende bem. E estou dizendo isso para os senhores para que entendam que nós não nos reconciliamos com o sistema, tudo bem usa só um pouquinho, não.

Nós nos reconciliamos, harmonizamo-nos com o filho de Deus perfeito e maravilhoso, e aquele filho que com o aspecto aparente filho de Deus que estava manifestando é ilusão, não é a existência verdadeira e por não ser existência verdadeira eu vou buscar a imagem Verdadeira que está dentro desse filho e busco o uso controlado da palavra. Vou extrair de dentro dele, através da palavra, da força da palavra, o amor infinito, a capacidade infinita e seguramente a cura, eu vou chamar por ele: você é filho de Deus, perfeito, papai ama você, perdoa papai, mamãe ama você, perdoe mamãe, nós te amamos, obrigado. E ele renasce para uma nova vida.

Creio que assim fica fácil reconhecer esse sistema de harmonização. Não é harmonizar com tudo, não tem jeito, aqui o professor Masaharu Taniguchi vai nos ensinar “Reconciliando-se com o falso aspecto, este passa a se manifestar com maior força. Não devemos deixar que isso ocorra. É por isso que na Sutra Sagrada Chuva de Néctar da Verdade, da Seicho-No-Ie, está escrito: ‘Enfrentai o irreal com o real’. Harmonizar-se com a Imagem Verdadeira é compreender que o aspecto aparente ‘não existe’ originalmente.

Harmonizar-se verdadeiramente com alguém ou alguma coisa é reconhecer a sua Imagem Verdadeira, perfeita, harmonizar-se com essa Imagem Verdadeira. Por exemplo, se se tratar de carrapato, não se deve ver o seu aspecto aparente de ‘sugador de sangue’, e sim harmonizar-se com a sua Imagem Verdadeira, sabendo que ele foi feito para viver em harmonia com outros seres, sem se prejudicarem ou se agredirem mutuamente. Em última análise, harmonizar-se com alguém ou alguma coisa é comtemplar a Imagem Verdadeira desse alguém ou dessa coisa e ver sua perfeição. Como acabamos de ver, em se tratando de pessoas, animais e coisas, se contemplamos a Imagem Verdadeira deles e harmonizarmo-nos com eles no nível da Imagem Verdadeira, manifestar-se-á o seu verdadeiro aspecto, pleno de harmonia, e eles deixaram de ser hostis ou nocivos a nós.

...harmonizar-se com alguém ou alguma coisa é comtemplar a Imagem Verdadeira desse alguém ou dessa coisa e ver sua perfeição. Como acabamos de ver, em se tratando de pessoas, animais e coisas, se contemplamos a Imagem Verdadeira deles e harmonizarmo-nos com eles no nível da Imagem Verdadeira, manifestar-se-á o seu verdadeiro aspecto, pleno de harmonia, e eles deixaram de ser hostis ou nocivos a nós.

Mas, em relação a ilusões, teorias, errôneas, etc., que atitudes devemos tomar? Se nos harmonizarmos com ilusões, afastaremos de nós a Verdade. Se nos harmonizarmos com teorias errôneas, estaremos escondendo a Imagem Verdadeira. Portanto, jamais devemos nos harmonizar com ilusões e teorias errôneas. As teorias errôneas são chamadas também ‘teorias falsas’. É um termo realmente adequado. Teorias errôneas não existem no mundo da Imagem Verdadeira, pois elas são falsas. Se fizermos isso, a nossa Imagem Verdadeira, perfeita, ficará encoberta. E, ficando encoberta a Imagem Verdadeira, perfeita, surgirão, como consequência, o aspecto fenomênico, imperfeito, isto é, infelicidade, doença, desgraça, etc.”

O professor nos comenta um relato bastante interessante do livro Lições para o Cotidiano, logo no primeiro capítulo. Esse livro é fantástico, onde o mestre Masaharu Taniguchi conta relatos que ele contava numa rádio e transformou em um livro.

E esse primeiro capítulo conta justamente da Pedagogia da Seicho-No-Ie e sobre esse princípio de harmonização. Nesse capítulo, ele conta a história de um “professor de escola, chamado Eizaburo Watanabe que lecionava na escola agrícola da província de Niigata que em meados de 1936, quando eu dirigi o seminário de verão que se realizava em Akasaka, o professor compareceu ao auditório e na hora do relato de experiência começou dizendo: ‘Não sou formado regularmente em curso superior, mas obtive meu licenciamento como professor através de exame de suficiência. É bastante difícil a qualquer pessoa que não possua um diploma galgar o alto posto de diretor de qualquer escola secundária. Eu, porém, consciente dos ensinamentos da Seicho-No-Ie, estudei com afinco e mantive minha inabalável a fé que o ser humano é filho de Deus e que nada lhe é impossível.’

Segundo ele relatou naquela ocasião, os quintanistas da referida escola tinham um comportamento estranho: menosprezavam seus professores. Se por acaso o professor de ginástica ou o responsável pela classe tentasse fiscalizá-los, era surpreendido à saída da escola e agredido. Jogado ao ar e atirado ao chão.

Os alunos, após esses atos, aos gritos fugiram para suas casas, impedindo assim à direção da escola apurar os nomes dos participantes, pois eram sempre muitos a agir, enfim, os quintanistas eram rebeldes e violentos…         

Certo dia, quando o prof. Eizaburo Watanabe foi designado professor dos quintanistas, diante de todos os alunos reunidos na sala de aula, antes de explanar a matéria, à maneira de exórdio, ele disse: ‘Vocês todos são respeitáveis filhos de Deus. Não existe um único mau elemento. Porque todos são filhos de Deus, todos vocês são pessoas dignas. Eu acredito no que lhes digo agora. Se vocês praticarem atos incorretos, a culpa não será de vocês, mas sim minha, porque eu sou o professor. Neste caso, minha ineficiência como educador e meu despreparo espiritual é que projetarão em cada um de vocês, podendo resultar em uma situação da qual não serão culpados. Portanto, se vocês praticarem atos não recomendáveis, podem me castigar e até mesmo me agredir.’”

Seguindo: “Os outros professores, até então, costumavam dizer coisas completamente opostas: ‘Eu sou o professor e ensino apenas o que é certo. Eu ensino a verdade. Eu ensino a verdadeira moral, porém vocês são maus elementos, pois não seguem os meus ensinamentos. Daqui em diante, devem prestar atenção às minhas palavras e observá-las sempre’. Assim diziam os outros professores. Os sermões que eles pregavam poderiam ser assim sintetizados: ‘Os alunos são maus, porém, professores são bons’.”

Aqui existe algo que separa “eu” do “outro” e o princípio básico da Revelação Divina da Grande Harmonia que é a Harmonia pregada pela Seicho-No-Ie, dizer então que Deus, eu e o outros somos únicos, uma só vida. Eu sou você e você sou eu nós somos uma única vida, enquanto os outros professores tinham em sua mente essa situação de colocar-se de que eu ensino e vocês obedecem. Eu sou o bom e vocês são os maus captavam essa mente de discórdia, essa mente de desarmonia e agia de acordo com essa vibração emanado do professor.

Mas professor Watanabe fez o contrário: vocês são filhos de Deus, são bons! Se vocês agirem mal, a culpa é minha porque eu sou professor, essa é a diferença. Olha só que interessante. “O poder da palavra é uma coisa extraordinária. Se alguém afirmar: ‘Vocês são maus, precisam melhorar porque são maus’, será muito difícil haver qualquer melhora.

Mesmo na educação dos filhos, se os pais disserem: ‘Você precisa estudar bastante a aritmética porque tem a cabeça fraca’, a criança ficará com a mente fraca devido ao poder dessas palavras. Isso porque os filhos respeitam os pais e neles confiam acreditando que tudo o que diz é verdade.

Se a mãe disser à criança: ‘Sua cabeça é fraca, precisa estudar muito’, a criança pensará: ‘Já que minha mãe diz assim, devo ter a cabeça fraca de nascença…’. Essa ideia fixa, de que a sua cabeça é fraca, fica gravada em seu subconsciente e, mesmo que a criança se esforce muito em seus estudos, não haverá resultado satisfatório.

O exemplo acima citado refere-se aos estudos, mas pode-se aplicar a mesma orientação aos problemas de conduta e atitude dos alunos. Se o professor, na escola, pensar ou disser: ‘Vocês são maus elementos, mas eu, o professor, sou sempre bom’, nunca conseguira obter bons resultados.

O prof. Eizaburo Watanabe disse o contrário: ‘Vocês são filhos de Deus, são pessoas excelentes! Se vocês forem maus, serei eu o culpado; logo, até pode me agredir’. Assim dizia esse professor. Então, os alunos tornaram-se pessoas dignas de representar o filho de Deus respeitando o prof. Watanabe e, em vez de agredi-lo, todos o admiraram.

O mérito do prof. Watanabe foi reconhecido. No regime escolar sempre existiu uma tradição, sendo difícil um professor licenciado, não formado em escola superior, tornar-se diretor. Porém, o prof. Eizaburo Watanabe foi depois nomeado o melhor diretor da escola, um fato extraordinário que muito raramente acontece.”

Isso aconteceu porque ele aplicou a pedagogia da Seicho-No-Ie, ele aplicou o ensinamento básico da Seicho-No-Ie e extraiu a capacidade infinita e entrou em harmonia. Enquanto todos os alunos diziam aquela classe é perigosa, os quintanistas são os piores, você vai entrar lá e vai direto para o inferno. Mas quando ele entrou, ao invés de dizer: olha vocês que estão aqui no inferno, eu sou professor, eu sou Deus e vocês tem que me respeitar. Não, ele disse: obrigado vocês são filhos de Deus e atitude de vocês é reflexo da minha conduta e eu vejo em cada um de vocês a vida perfeita de Deus e, portanto, são bondosos, harmoniosos, maravilhosos filhos de Deus.

Se uma coisa não tiver bem, não tem nenhum problema, pode me agredir, os alunos que até então tinham de olhar para o professor que chegava na sala de aula, com olhar de professor que aqui eu mando, e aqui eu sou o bom, quando olharam para ele se encantaram com a maneira dele. A humildade do professor, o amor tocou o coração dos alunos e consequentemente deve ter havido uma mudança no comportamento desses alunos que chamou atenção. Então, todo o corpo docente e toda a escola e todo mundo ficou feliz e ter alguém aqui pra ser diretor não só pra melhorar, não só os quintanistas, mas todo colégio. Quem é essa pessoa? Aquele que foi graduado em uma universidade e sim um professor que fez um exame de proficiência e conseguiu se tornar o diretor desse colégio, não é maravilhoso? Eu acho isso fantástico.

E o professor Masaharu Taniguchi diz na página 73: “Entre todas as falsas teorias, a principal é a de que a matéria existe. Recentemente, certo membro da Seicho-No-Ie andou se desviando da Verdade e esteve tentando crer na teoria dualista de que ‘existem tanto a matéria como o espírito’, bem como o argumento de que ‘o fenômeno também é manifestação do Eu verdadeiro’.

Isso porque essa pessoa, com base no argumento de que ‘já que devemos nos reconciliar com todas as coisas do Universo, é preciso nos harmonizar também com a teoria de que ‘a matéria existe’, pois isso até ajuda a compreender melhor o ensinamento’, chegou à conclusão de que é preciso dar uma parcela de atenção até mesmo falsas teorias. Nisso constitui o erro dessa pessoa. O ensinamento ‘reconciliai-vos com todas as coisas do Universo’ significa que devemos nos reconciliar com todas as coisas que existem realmente no Universo. Portanto, jamais devemos nos harmonizar com falsas teorias. Há um provérbio que diz: ‘Ninguém pode servir a dois senhores’. Harmonizando-se com falsas teorias, a pessoa, inevitavelmente, se afasta da Imagem Verdadeira. Afastando-se da Imagem Verdadeira, ela se deixa arrastar pela ilusão. Caindo em estado de ilusão, projetam-se no mundo fenomênico as sombras da ilusão, fazendo com que este mundo pareça incômodo, cheio de impedimentos.

Há algum tempo, citei na Revista Seicho-No-Ie vários casos de pessoas que se deixaram iludir pela teoria dualista de que, tanto a matéria como o espírito existem e, como reflexo disso, elas tiveram contratempos na vida. Algumas tiveram problemas em cobrar as faturas dos clientes, outras começaram a ter prejuízos nos negócios, e outras, ainda, tiveram uma violenta dor de dente ou algum outro problema de saúde. Recentemente, soube do caso de uma pessoa que se deixou influenciar pela falsa teoria de que ‘o Eu verdadeiro também cai no estado de ilusão’ e passou a sofrer de eczema no couro cabeludo. Ela somente percebeu seu erro quando o mal começou a se agravar. Essa pessoa havia lido o artigo de um ex-adepto que pretendia fundar uma seita alterando um pouco a doutrina da Seicho-No-Ie e que declarava que ‘a ilusão nasce do Eu verdadeiro’.

Enganada por essa falsa teoria, aquela pessoa ficou com a mente confusa, sem saber se o Eu verdadeiro está ou não sujeito à ilusão, e deixou de ver a sua Imagem Verdadeira originariamente isenta de máculas. Mas, tendo percebido o seu erro, ela fez a Meditação Shinsokan e esforçou-se para contemplar a Imagem Verdadeira originariamente isenta de máculas. Em pouco tempo, o eczema sarou completamente.

A própria pessoa escreveu-me narrando o caso. Muitas pessoas, apesar de se terem tornando adeptas da Seicho-No-Ie e aprendido que o Eu verdadeiro é um ser divino, é a Imagem Verdadeira, originariamente isenta de máculas, são tentadas, de vez em quando, a crer em teorias falsas. A isso se ‘provação’ ou ‘tentação’. É uma situação comparável à que acontece, às vezes, na hora da Meditação Shinsokan: quanto mais a pessoa tenta se concentrar, mais os pensamentos mundanos insistem em interferir. Cedendo a eles, jamais a pessoa conseguirá se concentrar.

Do mesmo modo, cedendo às teorias falsas, a pessoa ocultará a sua Imagem Verdadeira, e, como consequência disso, surgirá a infelicidade. O próprio Jesus Cristo, que disse ‘Amai os vossos inimigos’, não se conciliou, de modo algum, com Satanás. Na Bíblia consta que, tendo Jesus Cristo jejuando quarenta dias e quarenta noites no deserto, apareceu-lhe Satanás e tentou-o. Mas Jesus Cristo não deu a mínima atenção às suas palavras e disse-lhe energicamente: ‘Não tentarás o Senhor, teu Deus (…) Vai-te Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adoraras e só a Ele servirás’ (Mateus 4. 7,10).

Nessa passagem da Bíblia, Satanás é personificação da heresia, das teorias falsas da ilusão, das paixões mundanas. A expressão ‘Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele serviras’ significa ‘Vê unicamente Deus, unicamente a Imagem Verdadeira’. Portanto, jamais devemos nos harmonizar com teorias falsas e ilusões. Ao ordenar energicamente ‘Vai-te, Satanás!’, Jesus Cristo deixou patente que “não se deve se conciliar com Satanás”. Devemos seguir o seu exemplo.”   

O professor Masaharu Taniguchi diz que “a luz não consegue com a treva, porque aonde existe luz, só existe a luminosidade”, aí ele conta no final do capítulo algo bastante interessante. (A Verdade da Vida, vol 14, pág. 77:

“Recentemente, eu próprio tive oportunidade de vivenciar isso. Certo adepto da Seicho-No-Ie ofereceu-se para formar um núcleo numa determinada região e levou em consignação várias dezenas de exemplares do livro A Verdade da Vida. Depois de um tempo, ele passou a pregar falsas teorias, tais como ‘a matéria existe’, ‘o Eu verdadeiro também é sujeito à ilusão’, etc., e a publicar por sua própria conta revista em que expunha ideias divergentes à doutrina da Seicho-No-Ie. Por outro lado, ele vendeu a diversos membros da Seicho-No-Ie os exemplares do livro A Verdade da Vida, que havia levado em consignação, e embolsou a quantia recebida. Tendo lido a referida revista, escrevi um artigo combatendo categoricamente as falsas teorias daquela pessoa e reafirmando a Verdade de que ‘Eu verdadeiro jamais cai em estado de ilusão porque é extensão de Deus’ (em outras palavras, refutei terminantemente as falsas teorias). Mas, quanto ao fato de essa pessoa ter embolsado a quantia referente à venda dos livros, não fiz nenhuma crítica. Pelo contrário, enviei-lhe uma carta amável, dizendo que lhe oferecia incondicionalmente essa quantia e jamais lhe faria cobrança. Procurei, assim, ver a Imagem Verdadeira dessa pessoa – a Imagem Verdadeira perfeita, isenta de erros como ‘uso indevido do dinheiro que pertence aos outros’. Essa foi a minha experiência pessoal.

As falsas teorias eu combati energeticamente, mas, no tocante à pessoa, procurei perdoar-lhe a conduta errônea, vendo unicamente a sua Imagem Verdadeira perfeita. Espero que também os leitores não se conciliem jamais com falsidades (coisas inexistentes) e avancem sempre com a firme disposição de dizer ‘Vai-te, Satanás!, sempre que isso se fizer necessário. E, em relação às pessoas, procurem não ver o pecado (aspecto aparente que é apenas um invólucro).’ No caso, o filho viciado em droga, como disse pra vocês, a droga não é o filho.

Vendo nelas unicamente a Imagem Verdadeira perfeita, isenta de pecados, procurem perdoar-lhes os pecados (isto é, ignorar os pecados, compreendendo que eles não são existências verdadeiras). O essencial é compreendermos que o ensinamento “Reconciliai-vos com todas as coisas do Universo”, que constitui o primeiro e o mais importante preceito da Seicho-No-Ie. Significa, mais estritamente, o seguinte: ‘Reconciliai-vos com a Imagem Verdadeira de todas as coisas do Universo’.”

Este que é o ensinamento profundo e a base da harmonização com todas as coisas pregadas pela Seicho-No-Ie, reconciliar-se com a Imagem Verdadeira, isso aqui não é Imagem Verdadeira e ponto final. E também na coleção A Verdade da Vida, o mestre Masaharu Taniguchi referindo-se a isso, no volume 30, ele fala de uma pessoa ouvindo uma palestra. Nessa época, usava o banheiro na casa dele, e uma pessoa usou esse banheiro e fez suas necessidades fisiológicas fora do vaso sanitário. Com isso, a encarregada teve que limpar, e comentou com ele, que chamou a atenção do público e disse: alguém fez esse ato e a moça teve que limpar. Alguém da plateia comentou: a mente do mestre está em ilusão porque ele viu a sujeira que estava fora do vaso sanitário, concluiu que a mente do mestre que está suja.

O que os senhores acham disso? É a mente do mestre que esta suja, ou a Imagem Verdadeira das necessidades está fora do vaso ou dentro do vaso?

O mestre diz: “Retira-te Satanás, ou seja, faça dentro do vaso o que tem que ser feito dentro do vaso sanitário, que tudo está bem”. E esse é o modo de Viver da Seicho-No-Ie. Quando você consegue separar a Imagem Verdadeira do fenômeno, e compreender que tudo que Deus criou é perfeito e maravilhoso, isso se manifesta e uma das maneiras de se manifestar esse processo todo da Imagem Verdadeira do homem filho de Deus, e que nós trazemos a tona esse filho de Deus perfeito e maravilhoso é através das palavras sagradas da recitação “Imagem Verdadeira, Harmonia, Perfeição”. E quando nós chamamos por esse Deus interior da Imagem Verdadeira perfeita e harmoniosa ela acaba se manifestando.

Eu conheci uma jovem senhora casada, que contou seu relato de experiência, que estava cozinhando feijão em casa e, de repente, explodiu a panela de pressão e a água acabou atingindo o seu rosto. E como ela é praticante da Seicho-No-Ie ela começou a recitar Imagem Verdadeira Harmonia Perfeição. A levaram para o hospital e o médico disse: acho que afetou a cabeça pois ela não para de falar Imagem Perfeita harmonia Perfeição. Mas ao dizer essas palavras, senão usaria palavras feias, pois no aspecto fenomênico seu rosto estava sendo desfigurado e ela sentia muita dor, mas ela dizia Imagem Verdadeira Harmonia Perfeição.

Passados três dias, para a surpresa do médico, o rosto dela estava perfeito. Quando nós chamamos pela Imagem Verdadeira que existe dentro de cada um, ela se manifesta porque ela é a existência Verdadeira, aquilo que não pertence a nós, que não faz parte de nossa vida, que não é extensão da Vida de Deus, naturalmente tem que desaparecer.  Por isso que ele diz: você enfrenta a treva com a luz, a mentira com a Verdade. Você, por exemplo, ao entrar em processo de harmonização, como vamos saber que estamos nesse processo, quando você pensa: aquela pessoa que houve um atrito no passado, traz ela para sua consciência e não sente mais nenhum tipo de remorso, ressentimento, aí houve o perdão. Mas se você pensa nela e ainda sente aquele atrito, como se estivesse vivendo aquilo que já passou há 30 anos, é porque não houve o perdão.

Nesse momento, você deve trazer esse estado emocional e curar esse estado emocional com o uso controlado do poder da palavra. Nós fazemos a oração do Perdão. Hoje nós iremos recitar, reconhecer o mundo perfeito harmonioso criado por Deus, única e exclusivamente através das palavras sagradas da Imagem Verdadeira harmonia Perfeição.

Vamos fazer de duas maneiras. Primeiro para nós mesmos e depois faremos para alguém. Essa é a oportunidade de você oferecer para determinada pessoa.

Nós vamos comtemplar o Deus interior que habita em nós. Como fez o professor Watanabe, ao dizer para os alunos vocês todos são filhos de Deus, ou seja, o importante se ele disse isso para eles, porque ele reconhecia que dentro dele havia a Vida de Deus. É importante reconhecer essa Vida de Deus que habita dentro de cada um de nós é a extensão do Universo. Quando colocamos na posição de curar nossas feridas mentais interiores, ao curar a partir da prática recitativa, estaremos prontos para fazer para o outro, e você vai trazer na mente essa pessoa, não importa qual longe essa pessoa está, pois, as mentes se comunicam. Minhas vibrações de amor juntamente com o espirito Santo de Deus vai fazer com que essa vibração de amor chegue a essa pessoa, onde quer que esteja, e não precisa falar que está orando, basta orar e crer firmemente: você é Filho de Deus, você é perfeito, é saudável, obrigado.

Assumam a posição de oração com as mãos justapostas em frente ao rosto, pense concentradamente em Deus e acompanhe mentalmente:

Canto Evocativo de Deus:

“Ó Deus-Pai, que dais vida a todos os seres viventes, abençoai-me com vosso Espírito. Eu vivo, não pela minha própria força, mas pela Vida de Deus-Pai, que permeia os céus e a terra. As minhas obras, não sou eu quem realiza, mas a força de Deus- Pai, que permeia os céus e a terra.Ó Deus, que vos manifestastes através da Seicho-No-Ie para indicar o Caminho dos céus e da terra, protegei-me.”

Palavras do condutor: Para Manifestar a própria Imagem Verdadeira seja-nos permitida, a partir deste momento, a recitação Imagem Verdadeira Harmonia Perfeição. Essa recitação não é pronunciada pelo eu carnal são vibrações de Deus em meu interior a minha verdadeira Imagem harmoniosa e perfeita logo faz manifestar o supremo eu ao mesmo tempo, abençoa e purifica o mundo. Por alguns instantes vamos recitar juntos: Imagem Verdadeira Harmonia Perfeição. (várias vezes)

Mentalize as seguintes palavras: seja-nos permitir a partir deste momento a recitação Imagem Verdadeira Harmonia Perfeição, visualizando a perfeição de (visualizar a pessoa ou grupo de pessoas) mentalize, traga na sua mente a imagem dessa pessoa. No mundo de Deus existe somente a perfeição, harmonia, não existe ninguém doente, ninguém que esteja acidentado, também não existe doença atacar o homem, nem acidente que possa afetar o homem, no mundo de Deus, todas as coisas estão no seu devido lugar de forma harmoniosa e perfeita. Dessa forma, negamos firmemente o fenômeno e visualizando sua mente a Imagem Verdadeira Harmoniosa do filho de Deus.

Juntos, vamos recitar: Imagem Verdadeira, Harmonia, Perfeição (várias vezes).

Canto da Grande Harmonia: “A harmoniosa Vida de Deus ilumina o Universo e no Mundo reina a Paz. A harmoniosa Vida de Deus ilumina o Universo e no Mundo reina a Paz.”

Muito obrigado.

Estudo realizado por José Maria Coelho

Transcrição da Reunião Virtual sobre Educação transmitida no dia 30/07/2020 pelo canal do YouTube da SEICHO-NO-IE DO BRASIL