Expansão da consciência: educação do renascimento

Queridos amigos, muito obrigada. Como estão vocês? Tudo bem?

Nós estamos juntos para estudar um pouco mais sobre o ensinamento maravilhoso da Seicho-No-Ie, com o tema: Expansão da Consciência: Educação do Renascimento.

Vamos utilizar dois livros Convite à Felicidade, v. 1, cap. 5, p. 97, desta edição e, também, da coleção A Verdade, o volume 7 – Despertar Espiritual. Vamos utilizar o capítulo 3.

É sempre muito interessante a gente conversar sobre o ensinamento da Seicho-No-Ie tendo em vista o nosso Norte: o homem é filho de Deus. Nós somos uma existência espiritual, numa forma carnal. Vejam que interessante! Nós sabemos quem nós somos, como nós estamos.

Nós estamos, neste momento, manifestando a gloria de Deus, através do nosso corpo carnal. Não é uma maravilha isso? Vamos falar um pouquinho mais!

Então, como o nosso tema é expansão da consciência, o que significa esta expressão, este termo filosófico: expansão ou ampliação da consciência?

Como eu já disse, vamos utilizar o livro A Verdade, volume 7 no capítulo 3, na minha edição, página 71. Vamos ver o que é que o professor Masaharu Taniguchi nos diz sobre isso:


Ampliação da consciência e o despertar da alma

Sobre o conceito de perfeição da Imagem Verdadeira, a Seicho-No-Ie ensina a respeito do mundo da existência verdadeira, o mundo que existe de verdade e não o mundo fenomênico, ou seja, o mundo visível aos olhos físicos. Entretanto, quando a consciência se amplia e assimila a verdade, o mundo fenomênico também entra nos eixos. Isso por que, o universo que existe de verdade é sustentado pela grandiosa força vital do ser supremo, que é perfeito e que possui a luz infinita, a vida infinita, a sabedoria infinita, o amor infinito, a harmonia infinita, provisão infinita e liberdade infinita. ”

Olha que maravilha. Vamos então compreender um pouquinho mias este pequeno trecho.

Quando falamos aqui que a Seicho-No-Ie ensina a respeito do mundo da existência verdadeira, nós estamos falando, em outras palavras, no mundo da perfeição absoluta de Deus. Lembra que no comecinho, eu já comecei a nossa conversa falando que nós somos seres espirituais numa existência carnal? Então, Deus nos criou a sua imagem e semelhança. Não imagem física, que daí neste plano que estamos nos manifestando depende da contribuição genética do papai e da mamãe.

Mas antes de termos este corpo carnal graças ao papai e a mamãe, nós temos a nossa existência espiritual e esta é a criação divina. Nós costumamos estudar na bíblia que o mundo foi criado por Deus em seis dias e no sétimo Deus descansou.

Pensem comigo. Será que Deus ficou cansado? O Senhor de todas as coisas, o Criador de todas as coisas ficou estressado pelo trabalho de seis dias? Claro que não! Isso é uma metáfora, uma maneira figurada da gente explicar que Deus criou tudo em essência. 

Nós vimos aqui, não é? O Universo que existe de Verdade, Deus, portanto, é perfeito e possui luz infinita, vida infinita, sabedoria infinita, amor infinito, harmonia infinita, provisão infinita e liberdade infinita. Ou seja, na tentativa imperfeita de qualificar o todo de tudo, nós usamos esses adjetivos. Então Deus é perfeição absoluta.

Se a expressão Deus incomodar você, use energia criadora, força da natureza. Nós estamos falando do princípio de tudo. Qualquer que seja o nome que eu, ou você utilizarmos para essa energia. E ela nos criou.

Então, ao criar tudo, e ver que estava tudo muito bom, segundo a bíblia, Deus, no sétimo dia, entregou ao homem. A partir do sétimo dia, tudo que se manifesta no que a gente chama de plano fenomênico, o plano das três dimensões (altura, largura, profundidade e uma quarta, que não está aqui, que é o tempo) é projeção da mente humana que, baseado nesses critérios, na essência divina, faz projetar, neste plano, aquilo que ele acredita.

Em outra oportunidade, nós já estudamos que esta maneira pela qual o homem faz projetar o que verdadeiramente existe neste mundo que nós estamos, que nós chamamos de mundo fenomênico, se faz através de uma forminha chamada palavra. E que esta palavra se manifesta de três formas diferentes: pensamento, fala e o gesto. Certo?

A energia dessas três formas de manifestação da palavra, cria um campo de atração ou rejeição. E ali se manifesta tudo que a pessoa verdadeiramente acredita, mentalmente. Então se você está aprendendo, está estudando, está apreendendo, mentalmente, que o que verdadeiramente existe é Deus e o que vem de Deus, a sua palavra por meio do pensamento, por meio da fala, por meio do seu gesto, vai produzir essa energia. Vamos seguir um pouquinho mais.

Ainda, sobre a questão da ampliação ou expansão da consciência, o que nos diz o professor Masaharu Taniguchi: “O que vemos com os olhos físicos e consideramos existente, é um aspecto manifestado a que damos o nome de imagem fenomênica. A imagem fenomênica é capturada pelos olhos físicos, mas não é existência verdadeira. As coisas fenomênicas são mutáveis. ”

E aqui a gente faz aquela diferente entre o existir, o que é, e aí nós acabamos de conversar sobre isso que tudo que existe verdadeiramente jamais muda, é o que Deus criou. É a diferença entre o ser e o estar. Neste plano fenomênico, como nós já vimos, o mundo manifestado pela projeção mental humana, ele é alterável, ele é mutável, por quê? Porque nossa mente muda. E como é que eu capturo tudo que existe mentalmente? Através de cinco portas. Que são os cinco sentidos!

Mas será que, o que você acha que ouve é o que verdadeiramente está sendo dito? O que você acha que vê, é o que está realmente manifestado? E assim nós vamos por todos os sentidos. O que você cheira, o que você toca, o que você prova, é o que verdadeiramente existe? Então por isso é que altera, à medida que nossa consciência se expande, a nossa compreensão da Verdade se expande, essa energia criadora ao meu redor, é como se fosse filtrada. Ela passa a deixar de reter as impurezas, como verdadeiras e passa a ver a Verdade. O que realmente existe! O que foi criado por Deus. Certo?

Um pouco mais para frente, o professor Masaharu Taniguchi nos diz: “Na linguagem moderna, a iluminação é a ampliação ou expansão da consciência. Existem o grande despertar e o pequeno despertar. ”

O que o professor Masaharu Taniguchi nos ensina então? Ao ampliarmos a nossa consciência, nós constatamos, vemos com os olhos da sabedoria, o que existe de verdade. Ou seja, o que nós chamamos de Imagem Verdadeira. Alcançar a iluminação é passar a contemplar a Imagem Verdadeira tal qual Deus criou que é a natureza verdadeira de todos nós, seres humanos. A iluminação não é apenas uma questão de âmbito espiritual dos religiosos. Quando a pessoa alcança a iluminação, sua consciência se amplia, se expande, portanto, e se liberta. Com isso, fica livre também na vida prática. Por essa razão, Jesus Cristo disse: “A Verdade vos libertará”.

O mundo fenomênico é reflexo da mente. Por isso, quando a nossa consciência se amplia, e obtém mais sabedoria, conseguimos maior liberdade no mundo fenomênico.

Um pouco adiante, o prof. Masaharu Taniguchi nos diz: “A ordem é inerente a Vida. Onde a Vida se manifesta surge a ordem e onde existe ordem a Vida entra em ação. Estabelecer ordem é atividade básica para manifestação da Vida. A Vida é simultaneamente, sabedoria e amor. Onde a Vida se manifesta, surge o amor e, surgindo o amor, surge também a sabedoria. Devemos todos, ampliar, expandir, portanto, cada vez mais a consciência e aumentar o campo visual da alma. ”É uma maravilha mesmo, não é? Como o conhecimento nos liberta! Nós deixamos de nos levar pelo “achismo”. Ah, talvez, quem sabe? Nós estamos lendo, racionando e tirando as conclusões. Por isso o ensinamento da Seicho-No-Ie é tão libertador.

A forma de manifestar este conhecimento, de extrair este conhecimento, que já existe em todos nós, mas está oculto, esperando a oportunidade para se manifestar, nós chamamos de Educação da Vida. É a educação da extração e não do entulhamento. Aí ficou confuso? Bom vou explicar com mais calma.

Quando a gente fala que a educação formal é entulhadora, é no sentido de não levar em conta o potencial infinito do educando. Não é considerar o aluno uma folha branca, que não traz nada, que não tem conteúdo algum e que o professor, ou o educador, com toda a sua sabedoria, vai dar algumas gotas do seu conhecimento para o aluno, criando um abismo gigantesco entre quem ensina e quem aprende.

Na Educação da Vida nós utilizamos justamente o contrário. Utilizamos o potencial infinito do aluno para que ele mesmo, elogiado, reconhecido, amado e estando livre, possa manifestar a sua capacidade infinita. Não estamos de forma alguma dizendo que física, matemática, biologia e outros conhecimentos não são importantes. Ao contrário. É simplesmente um novo olhar para a forma de ensinar. Qual é o nosso norte? Qual é o nosso lema, ou até slogan? Reeducar-se para educar!

Então, o educador que fica engessado, em conhecimentos técnicos e não tem aquele olhar empático, aquele olhar afetivo, aquele olhar que eu diria quase missionário, no sentido de “eu tenho o privilégio de ter a vocação para despertar no meu aluno, a sua capacidade infinita”, não consegue verdadeiramente ensinar. E, ao mesmo tempo que ocorre essa troca, quem ensina está aprendendo. Quem aprende, está ensinando. Essa é a Educação da Vida.

Agora, utilizando o livro Convite à Felicidade, v.1, no capítulo 5, temos o título “Deixe subir bem alto a sua consciência”. No subtítulo: “não desenhe na mente a ilusão do ‘mal’”. Esse mal, entre aspas, porque tudo que verdadeiramente existe, tornamos a repetir, é o que Deus criou. E vocês acham que o mal foi criado por Deus? Que ele tem existência verdadeira porque se ele tiver, ele jamais poderá ser alterado.

O sentido de existência verdadeira é o que jamais muda. Vejamos, o que eu acho ruim hoje, lá na frente, eu vou verificar que foi um degrau para eu me fortalecer e aprender melhor ainda! Foi o momento de pausa, de reflexão, sobre aquela aparente dificuldade, que me fez reavaliar o meu processo para que eu pudesse superar as minhas dificuldades. Então, na verdade, é um mal aparente. Então não tem existência verdadeira. Eu é que estava com uma visão errada desta situação.

Aqui, neste capítulo 5, nós nos deparamos com a situação de que o homem vive aparentemente em dois mundos. Um mundo da Imagem Verdadeira, que é o mundo que existe verdadeiramente criado por Deus, e o que ele projeta através da sua mente e que se manifesta como nós falamos nas três dimensões. É o mundo da projeção.

Vejamos (no livro): “Muitos pensam que este mundo, está repleto de infelicidade e dificuldades e que, se não tomarem muito cuidado, poderão ser prejudicados pelos males existentes ao seu redor. Assim, vivem cheios de temor. Tudo, porém, é uma imaginação completamente infundada. Um temor de ser vítima de alguma infelicidade. E de acordo como princípio de que aparece o que se imaginou, tornam-se vítimas de diversas infelicidades, dificuldades e danos. Consequentemente, convencem-se de que seus pensamentos errados estão certos. Porém, nem um fato mal, nenhuma coisa má e nenhuma pessoa má existe neste mundo criado por Deus, que é o mundo verdadeiro.”

Então se algo aparece a minha frente com uma aparente negatividade, eu já sei que isso não é verdadeiro. Em algum lugar na minha mente eu tenho essa aparente negatividade como crença. E porque eu acredito de forma consciente, ou inconsciente, isso está se manifestando agora, na minha frente. Mas, não é existência verdadeira, ou seja, não é definitivo. O que é definitivo, o que jamais muda, é o que Deus criou.

Um pouco mais para frente, neste capítulo, existe o subtítulo “Nada pode ferir você”: “Doravante você não acreditará de forma alguma que fatos, coisas e pessoas, de fora, possam prejudicá-lo, porque este mundo foi criado por Deus e está repleto de amor e bondade de Deus. Você já sabe o que o aspecto exterior, aparente, é projeção do seu pensamento. ” Mas, pensamento de onde? Do passado! O hoje é manifestação daquilo que eu acreditava. Mas o futuro me pertence. Vai acontecer o que eu determinar que aconteça, por meio dos meus pensamentos, por meio da minha palavra dita, fala, por meio dos meus gestos, minha ação.

Então eu posso, à medida que eu amplio a minha consciência, modificar completamente tudo ao meu redor. Porque eu não vou ter mais ligação com as aparentes energias negativas, produtos das minhas ilusões. E eu comando o meu mundo! O mundo que se manifesta é resultado daquilo que eu tenho na minha mente. Repetimos, de forma consciente, ou inconsciente.

Mais adiante, o professor Masaharu Taniguchi nos diz: “Eleve bem alto a sua consciência. Eleve até a altura da consciência de Sakiyamuni, da consciência de Jesus Cristo, que se declarou filho de Deus. Certamente, em seu interior, você descobrirá Deus ou Buda.” Ou qualquer outro nome que a sua crença religiosa entenda que signifique criação divina. Seguimos: “Certamente você descobrirá em seu interior, Deus ou Buda, por mais doente que por acaso você possa estar, por mais pobre que pareça ser, tudo é como nuvens que cobrem a lua. Por mais negras que sejam as nuvens, a lua em si jamais se anuviou. De modo análogo, por mais escuro que pareça o seu aspecto exterior, o seu aspecto real é perfeito, sem doença, nem pobreza. Deus está dentro de você. No seu interior existe a fonte de luz intensa que ilumina o universo. Convença-se disso.”

Essa expressão “convença-se disso” não é para modificar você. Ao contrário, é para que o seu verdadeiro aspecto de filho ou filha de Deus se manifeste!

Como nós falamos, tudo ao nosso redor é resultado dessa crença que nós mantemos, na maior parte do tempo, na nossa mente. Lembrem-se daquele ensinamento da psicologia que nós utilizamos na Seicho-No-Ie que, de que a mente pode ser dividida em dois blocos: em mente consciente, 5%, e mente subconsciente, 95%. Há estudiosos que dividem em até mais. Na verdade, essa explicação é para efeitos didáticos, certo? A mente é uma só.

Então, a mente subconsciente, que fica oculta, é muito obediente. Aceita tudo que você mandar para ela, por meio dessas cinco portas, que compõe a mente consciente. Quais são essas cinco portas? São os cinco sentidos. Então, o que eu vejo, o que eu toco, o que eu provo, o que eu ouço, o que eu cheiro produz uma impressão energética e isso fica gravado na minha mente. Sem discussão!  Porque a mente subconsciente sempre fica no presente, vai acumulando, vai acumulando, e quando tem uma maioria, uma tendência, ela se manifesta, neste plano fenomênico.

Se eu guardei na minha mente “oh vida, oh dor, oh azar”, surgindo a ilusão, a minha mente reconhece e se manifesta. Mas é o aspecto verdadeiro? Não! É aquilo que eu acreditava, sem o conhecimento de que eu sou dona do meu mundo mental.

Quando nós despertamos para a Verdade, ampliamos a nossa consciência, expandimos a nossa visão, isso tudo deixa de ser necessário. E o que não é necessário, deixa de se manifestar na minha vida. Por isso que é tão importante nós conhecermos a Verdade, repetindo as palavras de Jesus Cristo: Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará. Libertará do que? Das ilusões!

Seguindo e utilizando o nosso tema, quando eu entendo, aprendo e apreendo que eu sou responsável pelo que se manifesta ao meu redor, eu tenho a oportunidade de renascer na minha vida própria vida. Por quê? Vai mudar a minha família? Vai mudar o meu trabalho? Vai mudar aonde eu estou? Não! Mas vai mudar quem atraiu tudo isso, ou seja, eu! Quem tem a ilusão de que a Seicho-No-Ie, numa fórmula mágica, vai ensinar como mudar o outro, vai se desiludir enormemente. Porque o outro está em mim!

Se eu tenho a ilusão de querer modificar o outro, é porque, na minha mente, eu tenho que o outro é imperfeito. Quando vejo a imperfeição no outro, não estou utilizando a minha visão expandida, a minha consciência ampliada e aí, eu fico preso nos aspectos fenomênicos, no mundo da manifestação. E deixo de utilizar os recursos infinitos do mundo da Imagem Verdadeira, que estão a minha disposição, mas dependem da minha permissão, da minha autorização, da expansão da minha consciência para que se manifeste.

Se eu tenho a ilusão de querer modificar o outro, é porque, na minha mente, eu tenho que o outro é imperfeito. Quando vejo a imperfeição no outro, não estou utilizando a minha visão expandida, a minha consciência ampliada e aí, eu fico preso nos aspectos fenomênicos, no mundo da manifestação. E deixo de utilizar os recursos infinitos do mundo da Imagem Verdadeira, que estão a minha disposição, mas dependem da minha permissão, da minha autorização, da expansão da minha consciência para que se manifeste.

Neste sentido, a nossa conversa de hoje “Expansão da Consciência: Educação do Renascimento”, quando eu me aproprio do conhecimento de quem eu sou, tudo ao meu redor, exatamente como é, muda! Por quê? A minha visão se altera. O aparente desconhecimento leva a manifestação da ilusão.

Então, aquele papai intransigente, aquela mamãe que não me dá atenção, o marido distante, a esposa ausente, o filho ingrato, desaparecem, pois não eram os aspectos verdadeiros desses seres maravilhosos ao meu redor. Eu é que tinha a ilusão de que isso era verdade! Passo a reconhecer que o papai exigente me ama e confia na minha capacidade. Por isso, ele cobra de mim a manifestação do meu aspecto verdadeiro. Do jeitinho como ele é, ele é perfeito! Eu é que não entendia a manifestação do seu amor.

A mamãe que, aparentemente, não sabe demonstrar da maneira como eu quero, o seu amor, em momento algum deixou de manifestar como ela conseguia, o seu afeto. Às vezes, trabalhando em dois ou três empregos, me deixando com a vovó, tios ou primos, pra que eu pudesse ter uma oportunidade melhor. Tudo isso é amor. Um amor até mais difícil, que é o amor exigente.

O filho ingrato é aquele de quem eu espero um reconhecimento, estou cobrando para dar amor. Estou tirando a liberdade deste filho e ele sente, que não é um amor desinteressado, é amor-cobrança. E ninguém gosta de se sentir preso. A liberdade é um dos maiores desejos do ser humano.

Então, agora, com todos esses conhecimentos, vou deixar vocês com o nosso momento de oração, aonde nós vamos condensar tudo isso que estudamos. Muito obrigada pela atenção de todos. Leia Oração para tornar o Lar um Paraíso – A Verdade em Orações v.1.

Agora vamos utilizar o nosso espaço de perguntas e respostas. Recebemos duas perguntas:

Primeira pergunta: Segundo a Seicho-No-Ie, como posso me proteger do mal olhado das pessoas?

Resposta: Primeiro, nós já vimos que o que verdadeiramente existe é Deus e o que vem de Deus. Tudo que se manifesta ao nosso redor, é resultado do que eu tenho em meu interior. E até nós utilizamos as chamadas leis mentais que são leis que existem neste mundo do plano fenomênico e uma delas diz: O que se acredita, verdadeiramente, aparece.

Então se você acredita no mal, que não existe verdadeiramente, porque Deus não criou, mas você acha que ele existe, acaba se manifestando porque você dá brecha! Lembra que a mente subconsciente é muito obediente? Não vai discutir! O que você determinar na sua vida é o que vai acontecer. Então se você acredita em mal olhado, ele se manifesta na sua vida mesmo não existindo. Você atrai essa ilusão. Como desfazer? Reconhecendo que se tudo que verdadeiramente existe é Deus e o que vem de Deus, e isso é verdade, aquela aparente impressão que você tem, que as pessoas estão invejando, o que você tem, estão enviando emanações ou vibrações negativas, veja pela lente da Verdade.

Se você, se a sua vida, se o que você tem, causa a admiração e não inveja, aos outros, é porque essas pessoas estão dizendo: “Nossa, olha como fulano é legal! Olha como ele é inteligente! Olha as coisas que ele tem, que maravilha! ”. Ao invés de colocar como inveja, mal olhado, por que não colocamos admiração? E todos nós gostamos de ser admirados. Assim, a minha atmosfera com relação aquela pessoa também vai mudar: “muito obrigado pela sua admiração. Puxa, muito obrigada por você reconhecer. Olha, muito obrigado por você chamar atenção sobre os benefícios que eu possuo”

Olha aí a expansão da consciência. Então, o aparente mal, volta para o nada! Porque você não recebeu! E aquela pessoa que, aparentemente, emanava vibrações negativas, passa a transmitir a admiração, o carinho, ainda que mal formulados. E à medida que você treinar esse olhar da Verdade, tudo isso desaparece. Porque você não recebeu, não reconheceu.

É aquele exemplo da carta que você coloca o endereço errado e não chega ao destinatário. A mensagem volta para a pessoa que enviou. Então, ainda que, a pessoa tenha essa ilusão de aparente desapreço por você, como você não recebe, volta para o destinatário. E assim, você segue o seu caminho, da Verdade, da luz, da admiração, tranquilamente. Porque essa é a sua missão, é o seu destino: brilhar cada vez mais! Muito obrigada.

Segunda pergunta: tenho dificuldade de relacionamento no meu trabalho. Como posso fazer? Qual a prática que a Seicho-No-Ie orienta?

Resposta: Relacionar é dar e receber. Se você está tendo dificuldade no relacionamento é porque você está tendo dificuldade em dar e receber atenção, afeto, diálogo. E o outro só está reproduzindo o que você está emanando.

A nossa família nuclear (papai, mamãe, irmãos), onde nós crescemos, ou qualquer formato que tenha a nossa família, hoje temos multiplicidade de famílias, mas dentro deste núcleo básico, sempre tem alguém que desempenha duas funções: a função paterna e a função materna. O ser humano precisa destes dois elementos para sua formação psicológica, intelectual, de forma adequada. A dificuldade com papai, por exemplo, normalmente projeta-se em dificuldade com o exterior. A dificuldade com a mamãe, sempre em termos aparentes, gera dificuldade na manifestação interna, ou seja, dificuldade de manifestar afeto, carinho etc. Não quer dizer que a responsabilidade é do papai e da mamãe, mas, sim, minha mente que entende esses afetos, essas contribuições para minha existência de forma equivocada. Então é o meu entendimento que está equivocado. 

Então como você está falando que tem dificuldade no relacionamento do trabalho, algo externo, verifique quais as dificuldades com relação a papai e mamãe, reflita sobre elas. Você vai ver que está sendo reproduzido a dificuldade no ambiente de trabalho.

Nós temos uma oração belíssima chamada Revelação Divina da Grande Harmonia que consta na parte inicial da Sutra Sagrada Chuva de Néctar da Verdade. Deixo isso de tarefa para você. Leia! E você verá a importância do relacionamento com papai e mamãe para nossa harmonia. Para manifestação de Deus em nós.

De qualquer maneira, atendendo a sua solicitação, além da reflexão sobre essas dificuldades, é importante praticar a oração do perdão, para você se colocar na situação de perdoar e ser perdoado. Lembra dás e receberás? Não estamos discutindo quem tem razão, mas você não precisa carregar coisas desnecessárias. E o perdão é libertador.

Veja o que o seu chefe, o seu colega está reproduzindo e está tocando o que você tem, inconscientemente, nesses relacionamentos. Você vai ver que as descobertas serão inúmeras e o perdão é aquela buchinha, vamos devagar, mas vamos limpando.

Como prática, e agora eu convido a todos os amigos a efetuarem esta prática conosco, temos no livro Minhas orações, de autoria do prof. Masaharu Taniguchi, na página 52, da minha edição, a Oração para relacionar-se bem com todos. Você que está nos assistindo feche os olhos, fique em posição de oração e acompanhe: “O essencial acima de tudo é saber que este mundo foi criado por Deus e que ele é o Pai de todas as criaturas. Que todas as criaturas são irmãs entre si. Que desde o princípio todos querem bem uns aos outros, sem discórdias, nem sentimentos negativos, tais como ódio, rancor etc. E que, portanto, não há o que perdoar ou não perdoar. Se no aspecto fenomênico a pessoas há quem devemos perdoar, isso significa que mentalmente estamos admitindo a existência do mal e negando que todas as criaturas de Deus são personificação do bem, do belo e da Verdade. E tal atitude mental, impedirá que a nossa vida se torne radiosa e feliz. Portanto, se nas profundezas da mente existir, por pouco que seja, o reconhecimento da existência do mal e a negação da excelência da criação de Deus, é preciso purificar a mente o quanto antes possível, eliminando tais pensamentos negativos. Para isso, devemos mentalizar: relaciono-me harmoniosamente com todas as pessoas. Todos os seres viventes e todas as coisas. Já não tenho mais necessidade perdoar pois compreendi que desde o princípio estou em paz e harmonia com tudo e todos. E que sou um com todas as criaturas. O amor de Deus preenche o Universo, está presente em toda parte, envolve-me, impulsiona-me e flui dentro de mim sendo impossível afastar-me deste amor. Sendo impossível afastar-me deste amor. Obrigado, Deus, muito obrigado. ”

Mais uma vez agradeço a atenção de todos e estou à disposição para estudarmos juntos os ensinamentos. Reeducando-nos para educar.

 

Estudo realizado por Mariângela de Souza Moreira Gomes

Transcrição da Reunião Virtual sobre Educação transmitida no dia 30/07/2020 pelo canal do YouTube da SEICHO-NO-IE DO BRASIL