Meus filhos cresceram e foram embora, e agora?

Deus é Amor e é na mulher que o amor de Deus está expressado em máximo grau; por isso é dito que a mulher é a Deusa do Amor. Aprendemos na Seicho-No-Ie que, quando o filho de Deus se manifesta com um corpo feminino, o objetivo da sua aprendizagem é basicamente o amor. Assim, o amor que a mulher na condição de mãe dedica aos filhos é um amor incondicional, um amor sublime que nada exige em troca, um amor genuíno de doação total, chegando ela a se anular em favor dos filhos, torna-se uma “leoa” para proteger os filhos, às vezes deixando de comer para poder alimentar os seus rebentos. Para elas, os filhos passam a ser a sua razão de vida.

É justamente por toda essa dedicação que, após a independência dos filhos, por casamento, por preferirem morar sozinhos, ou por outros motivos, a mãe sente um vazio muito grande, como se lhe tivessem tirado o seu chão. Algumas chegam a enfrentar um estado depressivo; é a chamada Síndrome do ninho vazio. O impacto é maior para a mãe, justamente porque ela passa muito mais tempo do que os homens na criação dos filhos e na manutenção da casa.  Segundo dados do IBGE, de 2016, a mulher dedica a média de 18 horas semanais cuidando das pessoas da sua família e com os afazeres domésticos, portanto, 73% a mais do que os homens, que dedicam cerca de 10,5 horas semanais.

Portanto, é perfeitamente compreensível o sentimento de vazio que toma conta da mulher após cumprir a sua missão de criar os filhos. No entanto, a mulher deve compreender essa fase como sua “diplomação” para galgar novos desafios, novas etapas em sua vida, buscando outras atividades de seu interesse, a fim de desempenhar novos papéis em sua vida. É “diplomação” e não o “fim”. É importante ter essa visão positiva vivendo conforme o “Princípio do relógio de sol”, com a mente sempre voltada para a luz, pois a vida cresce somente quando está voltada para a luz. Viver o princípio do relógio do sol é viver como a flor do girassol, que sempre acompanha a direção do sol.

Os filhos, ao saírem de casa, vão seguir o caminho deles e a mãe deve buscar o dela: buscar outras vivências além dos filhos, como sair com os amigos, praticar atividades físicas, estudar, viajar e, principalmente, dedicar mais tempo ao relacionamento com seu marido.

No meu caso particular, quando os filhos saíram de casa, meu marido e eu começamos a programar muitas viagens a dois, coisa que não tinha sido possível realizar anteriormente durante a criação dos filhos. Assim, viajamos para várias partes do Brasil e exterior, como o Japão, Espanha (Madri, Barcelona), Itália (Roma, Veneza, Milão, Florença, Nápoles), México (Cancun) e outros. Nos finais de semana em que eu não tinha atividade da Seicho-No-Ie, meu esposo e eu saíamos na sexta-feira à noite para alguma cidade próxima de São Paulo, procurávamos um bom lugar para comer, passávamos a noite num hotel da cidade, nos deliciávamos com o café da manhã do hotel, e voltávamos à tarde para nossa casa, a fim de preparar o almoço do domingo com os filhos, noras e netos. A segunda-feira era sempre reservada para “namorarmos”: almoçávamos fora, passeávamos nos shoppings e só voltávamos à noite para casa.  Às vezes, marcávamos encontro com as famílias dos nossos filhos no Jardim Botânico de São Paulo onde passávamos o dia inteiro passeando e saboreando o lanche preparado por mim. Aqui o verbo está no passado, porque o meu amado esposo partiu para outra missão no plano espiritual, em março de 2017. Após o passamento dele, preencho os dias dedicando-me aos meus netos, fazendo atividade física, trabalhando para a Seicho-No-Ie, o que me preenche espiritualmente.

A verdade é que o ser humano não sente solidão quando se dedica a fazer algo em benefício de alguém, e esse alguém pode ser o marido, os netos, ou algum trabalho de voluntariado como, por exemplo, a oficina de costura da Seicho-No-Ie , que funciona na sua subsede em Jabaquara, São Paulo. Todas as segundas-feiras, das 9h às 16h, senhoras e senhorinhas entre 33 e 91 anos de idade se reúnem para costurar, tricotar, bordar, e outras atividades. Elas fazem trabalhos maravilhosos como kits para enxovais de bebê, que são doados para gestantes sem condições financeiras. Elas também fazem produtos artesanais que são vendidos em bazares beneficentes, cuja renda é revertida para a Casa de Repouso da Seicho-No-Ie, Fundação Grande Harmonia. Elas dizem que se sentem preenchidas realizando esse trabalho de doação de amor.

Conheci na cidade de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, uma divulgadora da Seicho-No-Ie, a Sra. Anaurelina Pereira de Moraes, de 76 anos de idade. Ela mora sozinha, mas diz que não sente nenhuma solidão após criar todos os filhos e o passamento do marido, porque realiza com verdadeira alegria e satisfação o trabalho de divulgar nos ônibus cerca de 1000 revistas da Seicho-No-Ie, mensalmente, de mão em mão. Ela é tão conhecida pelos passageiros que ao encontrarem-na em qualquer outro lugar pedem para ela a “revistinha” da Seicho-No-Ie. Na Conferência que tive a oportunidade de orientar naquela cidade, muitos dos participantes eram os “clientes cativos” dos ônibus que recebiam as revistas. Outro trabalho voluntário que ela faz diariamente é ir para a Sede Regional preparar o cafezinho para as pessoas que frequentam a oração matinal da Seicho-No-Ie.

O “Eu verdadeiro”, ou seja, a natureza verdadeira de toda mulher é filha de Deus perfeita, dotada de capacidade infinita! Assim sendo, nenhum acontecimento exterior pode infelicitá-la; a não ser que ela permita. Ela não é escrava das circunstâncias. Ressuscite, portanto, a fibra de mulher guerreira que existe dentro de você, “levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”! Faça “visitas de benção” para as pessoas a quem você deve favores, matricule-se num curso novo, aprenda novos idiomas, programe novas viagens, enfim, permita que Deus Se manifeste através de você, sempre!

Muito obrigada!

 

Marie Murakami

Preletora da Sede Internacional

 

Revista Mulher Feliz, Ed. 410 – setembro/2019